Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Os participantes com mais mobilidade correram sozinhos
Os participantes com mais mobilidade correram sozinhos

Todos os competidores receberam medalhas e muitos sorrisos
Todos os competidores receberam medalhas e muitos sorrisos

Muito mais do que um evento esportivo, a 1ª Corrida dos Cadeirantes de Araucária emocionou participantes e expectadores. “Foi um evento lindo, onde nós vimos que até os incapacitados de andar podem ser livres para voar”, afirma o organizador Leandro Andrade. A competição reuniu dezenas de pessoas especiais e seus familiares no último sábado, 5 de dezembro, e marcou a história do Estádio Municipal Emílio Gunha, no CSU, em um lindo dia de sol.

De acordo com Elaine Cadena, a corrida foi uma oportunidade de crianças e adultos portadores de necessidades especiais mostrarem que são capazes de alcançar seus objetivos. Por isso, ela inscreveu o filho Cleberson Eduardo Cadena, de 10 anos, na prova. “Ele nasceu com má formação cerebral e hidrocefalia, então já é campeão pelo fato de ser um verdadeiro milagre da vida, assim como os outros competidores. Essa seria apenas mais uma conquista”, conta.

Segundo ela, o marido Cleberson de Jesus Costa aceitou o desafio de empurrar a cadeira do filhão na prova e estava convicto de que apenas concluiria o percurso em uma velocidade bem tranquila. “Só que ele sentia que o nosso filho Dudu queria correr de verdade, e fez todo esforço possível para o filho se sentir feliz”, conta a mãe, que viu o marido e o pequeno Dudu sorrindo ao atravessarem a linha de chegada em primeiro lugar.

Já na categoria de cadeirantes que não precisavam de um “empurrãozinho”, quem recebeu o troféu de campeão foi o jovem Anderson Silva, que também é conhecido pelas competições de karatê que participa. “Inclusive, eu venci o Campeonato Brasileiro na ca­tegoria cadeirante este ano e agora estou focado em participar das Paraolimpíadas”, adianta.

Agradecimentos

Exemplos assim mostram que todas as iniciativas para levantar a bandeira da inclusão social são válidas e merecem apoio. “Essas pessoas precisam de oportunidade para terem seu espaço na sociedade, trabalharem, praticarem exercícios físicos e viverem com qualidade de vida. Então, agradecemos a todos que colaboraram para que esse evento acontecesse e pedimos o apoio do poder público”, finaliza a equipe Anjos de Arau­cária, que promete estar à frente da segunda edição da Corrida dos Cadeirantes, em 2016. Mais informações pelo WhatsApp 9660-7347.

Texto: Raquel Derevecki / FOTOS: DIVULGAÇÃO / EVERSON SANTOS

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM