Digno de aplausos

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Um dos projetos mais interessantes e dignos de aplausos tocados pela administração pública municipal ao longo das últimas décadas é o mutirão de castrações de cães e gatos.

Independentemente de qual seja o seu viés político, eis aí um programa que precisa ser celebrado não só por aqueles que têm algum tipo de apreço pela causa animal e sim por todos os verdadeiros cidadãos araucarienses.

O mutirão de castrações, que teve mais uma etapa realizada ao longo das duas últimas semanas, já esterilizou quase cinco mil cães e gatos e este número pode chegar a mais de oito mil ao longo dos próximos meses.
Castrar esses cães e gatos maciçamente vai ao encontro das melhores práticas recomendadas por autoridades veterinárias quando o assunto é saúde animal e controle populacional de cães e gatos pertencentes a famílias de baixa renda.

Tal programa se reveste de uma importância ainda mais elogiável quando colocamos na baila que esterilizar esses animais é também uma ação de saúde pública, já que diminui consideravelmente o abandono de cães, o que, por consequência, resulta numa menor incidência de casos de zoonoses provocadas por esses e, obviamente, aquelas situações de mordeduras e eventos de comportamento territorialista muito comuns quando há alto número de cães em situação de rua em cidades.

Outro aspecto extremamente relevante do programa de castração em massa desenvolvido pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) é que ela é voltada a famílias de poder aquisitivo baixo, que dificilmente teriam condições de contratar um procedimento de esterilização. O mutirão ainda é digno de elogios por ofertar aos seus beneficiários todo o auxílio pós-operatório aos cães e gatos, fornecendo a medicação necessária para que os bichinhos se recuperem de maneira adequada. Merece ser citado ainda o fato de que todos os alcançados pelo programa saem da mesa de cirurgia devidamente microchipados, o que facilita a identificação de seus proprietários e/ou cuidadores na eventualidade de uma fuga.

Boa leitura!

Publicado na edição 1233 – 08/10/2020