DP alerta para o golpe do Whatsapp e dá algumas dicas de segurança

Foto: divulgação
Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
DP alerta para o golpe do Whatsapp e dá algumas dicas de segurança
Foto: divulgação

Praticamente todos os dias a Delegacia de Araucária registra boletins de ocorrências de vítimas que caíram no famoso golpe do Whatsapp, que vem sendo aplicado através de sites de venda como OLX, Mercado Livre e ZAP. O golpe em si é bastante simples, pois o golpista utiliza apenas a engenharia social. Em geral os golpistas se aproveitam da ingenuidade e distração da vítima e a fazem fornecer dados pessoais por livre vontade (claro, ela está sendo enganada). Não utilizam nenhum método de invasão, malware ou coisas desse tipo.

O golpe funciona em três etapas: primeiro os golpistas monitoram os sites de venda como OLX, ZAP e Mercado Livre e entram em contato com um vendedor que possa se tornar um alvo em potencial. Na segunda etapa, através dos dados do anúncio, conseguem o número de celular da vítima e, consequentemente, do seu perfil no WhatsApp. O terceiro passo é enviar uma mensagem como se fosse uma comunicação do site de vendas, onde eles tentam se passar pelo OLX e pelo Mercado Livre.

O texto pode variar, mas em geral, é uma mensagem informando de irregularidades em um anúncio com o título “Verificação do Anúncio Ativo”. O golpista informa que enviará uma mensagem SMS com um código, que ele deve digitar pelo WhatsApp como forma de confirmação do processo e “regularização” do seu anúncio na plataforma.

O código enviado, na verdade, é o PIN de autenticação do WhatsApp. O golpista está tentando roubar a conta para usar em outro aparelho. Ao fazer o login com o número de telefone (que ele já tem), o WhatsApp envia para o dono do chip um SMS com o número de autenticação que é legítimo. Ao ter acesso a esse número, o falsário consegue fazer login na conta da vítima usando o seu próprio celular e rouba a conta. Agora, se passando pelo dono da conta que roubou, o golpista troca mensagens com o maior número de contatos da vítima possível, pedindo empréstimos em dinheiro para “emergências”, com valores não muito altos. Aqui, ele fornece contas de laranjas onde o incauto é incentivado a depositar valores, acreditando que está ajudando um amigo que precisa de dinheiro.

A DP explica que a única forma de se proteger é não acreditar em tudo que recebe pelo WhatsApp, uma vez que plataformas como a OLX, ZAP e Mercado Livre, entre outros, não pedem confirmação de dados pelo messenger. Por fim, desconfie de amigos de sua lista de contatos repentinamente pedindo dinheiro emprestado, para supostas emergências inadiáveis. Peça por confirmação de dados do contato e, em último caso, ligue pra ele e tire a prova na hora.

Publicado na edição 1184 – 10/10/2019