Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Vai ser preciso muito dinheiro para consertar todos os estragos deixados pelos manifestantes
Vai ser preciso muito dinheiro para consertar todos os estragos deixados pelos manifestantes

O caos que se instalou no transporte público de Arau­cária e que culminou em um protesto inflamado ocorrido na segunda-feira, 13 de abril, deixou brasas acesas e muita fumaça no ar. Além dos danos financeiros e morais causados aos usuários, as empresas que operam o transporte público na cidade ainda amar­garam prejuízos.

O quebra-quebra promovido pelos manifestantes resultou em vários ônibus quebrados, catracas e validadores de cartões destruídos, guaritas e portões quebrados, além das passagens que em boa parte do dia do protesto dei­xaram de ser cobradas. Diante deste quadro de destruição, as empresas Araucária Transporte Coletivo, responsável pelas linhas metropolitanas, e a Viação Tindiquera, que administra o TRIAR, já fizeram estimativas preliminares para contabilizar os gastos que terão que arcar para consertar os estragos.

Segundo a Empresa Araucária, o prejuízo desde o dia 14 de fevereiro, data em que as mudanças começaram a ser implantadas, gira em torno de R$ 150 mil, valor que está sendo investido em melhorias que precisaram ser feitas no terminal, adaptações de catracas e conserto de danos após o protesto.

Já a Empresa Tindiquera informou que contabilizou até o momento um prejuízo de cerca de R$ 12 mil que estão sendo empregados em conserto de ônibus (troca de bancos, troca de vidros, latarias e outros equi­pamentos), além do conserto de guaritas e de validadores. A empresa informou que teve seis ônibus quebrados e por isso, algumas linhas ficaram desfalcadas porque não havia carros disponíveis na frota para substituição. Diante disso, as equipes de mecânica tiveram que trabalhar dobrado e ontem, 16 de abril, a frota já estava circulando normalmente.

A Tindiquera também colocou equipe de plantão no terminal da Vila Angélica caso haja mais alguma manifestação por parte dos passageiros.

FOTO: MARCO CHARNESKI

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM