Padre André Marmilicz: Os preferidos do Reino de Deus

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

O Reino de Deus que Jesus veio instaurar aqui na terra, se referia a todos, sem exceção. Afinal, todos são filhos de Deus e tem os mesmos direitos, independente de raça, classe social, cor, sexo, enfim, todos são bem vindos para fazer parte do Reino de Deus. Se isso é claro, por outro lado, Jesus coloca algumas condições para que todos sejamos acolhidos e façamos parte do seu Reino Ou seja, que nos coloquemos claramente ao lado dos mais sofredores, abandonados e excluídos, e, nos coloquemos abertos para ajuda-los. Na parábola do Juízo Final, essas condições aparecem de modo evidente. Sair de si mesmo, do seu egoísmo, do seu individualismo e colocar a sua vida a serviço dos que mais sofrem nessa sociedade, é condição essencial para pertencer ao Reino e, um dia, partilhar do banquete do Reino Celeste. Esse foi o texto que guiou São Vicente de Paulo durante toda a sua vida.

Jesus se coloca na pessoa daquele que tem fome, daquele que tem sede, daquele que é estrangeiro, daquele que está na cadeia, daqueles que não tem o que vestir, daqueles que estão doentes. Ver essas pessoas que passam em nossas vidas, é o mesmo que perceber a presença de Jesus nelas. Negar apoio, assistência, apoio, abrigo, visita, vestes a uma dessas pessoas, diz Jesus, é estar negando apoio e assistência a ele mesmo. Pelo contrário, quem dedica seu tempo a esses menores, a esses mais abandonados da sociedade, estará socorrendo o próprio Jesus que se encontra na pele desses mais sofredores e abandonados da nossa sociedade. São Paulo vai falar das três virtudes essenciais de um cristão: fé, esperança e caridade. Mas, a caridade, diz o apóstolo, é a mais importante, é a essencial.

A dimensão social, sou seja, a caridade com o mais sofrido, sempre foi determinante na vida de Jesus. Vemos a sua preocupação com os que passam fome, com aqueles que estão abandonados e excluídos na sociedade, com os órfãos e as viúvas, com os dentes e sofredores de modo geral. A sua compaixão para com eles é tão grande, que ele chega a exclamar: ´tenho pena desse povo, porque são como ovelhas sem pastor’. A Igreja, ao longo da sua história, sempre se preocupou em ser fiel aos ensinamentos do Mestre, criando diversos tipos de obras sociais para ajudar os mais pequenos e necessitados. Na paróquia nós temos a Sociedade São Vicente de Paulo que faz um trabalho extraordinário de assistência e promoção daqueles mais vulneráveis da sociedade. Inclusive, a partir de hoje, na sexta e no sábado, estará realizando no Salão Paroquial o Bazar, com o fim de arrecadar fundos para acompanhar famílias assistidas das nossas comunidades. Adquirindo alguma roupa ou outro objeto no bazar, você está ajudando no trabalho promocional dos vicentinos de nossa paróquia.

Celebrando a festa do Cristo Rei do Universo, a Igreja nos pede a adorarmos esse rei humano, de carne e osso, que passou pela vida amando, fazendo o bem, se preocupando com a saúde, a comida, o bem estar de todos. E guiados por ele, aprendamos também que a nossa vida só tem sentido profundamente cristão, quando colocada a serviço dos outros, especialmente dos que sofrem. Uma ajuda simples, uma escuta, uma visita a um doente, a um preso, podem ser verdadeiros sinais de seguimento a Jesus, na construção do seu Reino, onde possamos viver como irmãos uns dos outros.

Edição n.º 1390

Compartilhar
PUBLICIDADE