Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Várias pessoas foram detidas e outras estão sendo investigadas
Várias pessoas foram detidas e outras estão sendo investigadas

Materiais comprometedores foram apreendidos
Materiais comprometedores foram apreendidos

Uma mega operação de combate à pornografia infantil e a pedofilia foi deflagrada pela Polícia Federal (PF) na manhã de quarta-feira, 15 de outubro. A operação Darknet, que está ocorrendo simultaneamente em 18 estados e no Distrito Federal, tem por objetivo confirmar a identidade dos suspeitos e buscar elementos que comprovem os crimes de armazenamento e divulgação de imagens e abuso sexual de crianças e adolescentes. Segundo a Polícia Federal, durante a investigação foram identificados 106 suspeitos de produção e divulgação de materiais de pornografia infantil para o Brasil e exterior. Desses, 51 já foram presos. No Paraná foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão, quatro pessoas foram presas, inclusive uma em Araucária. Ainda aqui no município foi cumprido um mandado de busca e apreensão. A reportagem do Jornal O Popular tentou ter acesso ao bairro onde o suspeito de pedofilia foi detido, mas a assessoria de comunicação da PF disse que trata-se de uma informação sigilosa.

Entre os detidos em todo o Brasil estão um seminarista, um agente penitenciário, servidores públicos, militares e empresários. A PF informou que foram identificadas pessoas que, além de captar e divulgar os materiais de pornografia infantil, eram efetivamente abusadores de menores. Os policiais ressaltaram que as imagens de pornografia infantil são um subproduto do abuso dessas crianças.

Esses abusadores normalmente estão no círculo de influência das crianças, sejam membros da família ou não. Ainda segundo a PF, não é possível definir um perfil de quem são esses abusadores, porque a pessoa que comete esse crime o faz da forma mais velada possível.

A operação

A Operação Darknet foi deflagrada simultaneamente por 44 unidades da Polícia Federal nos estados do Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Pará, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e no Distrito Federal. As informações obtidas durante as investigações que envolvem suspeitos de outros países foram repassadas para autoridades de Portugal, Itália, Colômbia, México, Venezuela.

Pela primeira vez em operações de combate à pornografia infantil a Polícia Federal rastreou o ambiente conhecido como deepweb, considerado um meio seguro para que usuários da internet divulguem anonimamente conteúdos variados. A arquitetura desse ambiente impossibilita a identificação do ponto de acesso (IP), ocultando o real usuário que acessa a rede. Através de metodologia de investigação inédita e ferramentas desenvolvidas, os policias federais conseguiram quebrar esse paradigma e identificar mais de 90 usuários que compartilham pornografia infantil. Até o momento, somente as polícias dos Estados Unidos e da Inglaterra realizaram investigações de crimes praticados através da deepweb.

Serviço

Denúncias contra pedofilia e divulgação de pornografia infantil podem ser feitas no site do Ministério Público Federal ou no Disque 100.

Texto: Maurenn Bernardo e assessoria / Foto: Polícia Federal

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM