Prefeitura melhora iluminação nas marginais da BR 476, O Popular do Paraná
Iluminação vai garantir mais segurança para motoristas e pedestres. Foto: Marco Charneski

 

O atropelamento de um homem, ocorrido na madrugada de sábado para domingo, 19 de maio, na BR 476, próximo à Arauclin, trouxe à tona o problema da iluminação precária em alguns trechos da rodovia, e suas marginais. Populares comentaram que a tragédia poderia ter sido evitada se a sinalização luminosa fosse mais eficaz. Sobre a questão, a Secretaria Municipal de Urbanismo disse que a Prefeitura está estudando qual sistema de iluminação será mais adequada na via para sua revitalização, principalmente no trecho que compreende a Praça do Seminário, até o viaduto da PR 423.

Adiantou que no intervalo entre o Rio Iguaçu, em ambos os lados, até o viaduto da Rua Vital Brasil, na entrada da cidade, os serviços já estão sendo concluídos. Na marginal da Rodovia do Xisto, que compreende os trechos onde estão sendo instalados o Mufatto Max e a Nichelle Materiais de Construção, a iluminação será melhorada a partir de luminárias em LED.

Ainda segundo a SMUR, o projeto de iluminação também vai abranger a PR 423, em ambos os lados, até o Rio Barigui. “Nesse trecho estamos estudando um novo projeto de iluminação, que vai abranger não somente as marginais, mas também a rodovia principal, inclusive já temos anuência do DNIT, que administra o trecho. O foco é revitalizar e melhorar a iluminação em toda a extensão da BR 476”, explicou o secretário Reginaldo Cordeiro.

Área urbana

Não é só a rodovia e as marginais que têm sido alvo de reclamações com relação à iluminação pública. Na área urbana a população também não está muito satisfeita com os serviços de manutenção. Isso porque em alguns bairros, existem postes com lâmpadas queimadas há várias semanas.

A Secretaria Municipal de Urbanismo alega que a empresa vencedora da licitação, contratada para executar o serviço, não está conseguindo atender a demanda de troca de lâmpadas. “Nós estamos notificando a empresa, que não está dando conta, pois o prazo para atender as reclamações é de três dias e eles não estão cumprindo isso. Estamos fazendo todo o possível e necessário para exigir o cumprimento dos prazos, notificando e penalizando a empresa, que se não forem obedecidos, deverão constar em um relatório, que será encaminhado à Procuradoria Geral do Município, para as providências cabíveis”, esclareceu o secretário.

Texto: Maurenn Bernardo

Publicado na edição 1164 – 23/05/2019

VEJA TAMBÉM

Compartilhe