Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Foto: Freepik

Algumas dicas simples podem ser aplicadas no dia-a-dia para fazer uma “manutenção” e manter uma boa saúde mental, durante e após a pandemia. Em casos de ansiedade, identificar o que disparou as reações pode ajudar a reduzir seus efeitos. Como esse transtorno tende a ler de forma exagerada os perigos de uma situação, questionar o problema incomodando nosso cérebro serve para revelar se estamos realmente sob risco ou não, reduzindo os níveis de estresse e ansiedade.

Tempos de pandemia e opções limitadas de distração pedem uma busca por novas formas de lazer. Atividades simples que podem ser feitas em casa — como artesanato, quebra-cabeça, jogos de cartas — são as mais recomendadas. Manter o contato social, mesmo que de forma online, também é importante. “A principal palavra é o autocuidado. Ele envolve vários aspectos da nossa vida e ajuda a proteger a saúde mental. Minha dica é: se cuidem sempre física, emocional e psicologicamente”, comenta a psicóloga Angélica Krzyzanovski.

Quando essas medidas não são suficientes e o fluxo de sentimentos negativos permanece, pode ser o momento de procurar um profissional. O tratamento psicológico na rede particular pode ser feito tanto na modalidade virtual — regulamentada e incentivada pelo Conselho de Psicologia, principalmente após o começo da pandemia — como na modalidade presencial — indicada caso o paciente não tenha um ambiente adequado e seguro em casa ou não se sinta confortável com as sessões à distância. Angélica reforça que não faz diferença a forma de atendimento, ambas são efetivas e o importante é procurar por ajuda. “Temos um cuidado bem grande nas sessões presenciais, com uso de máscara, distanciamento, higienização antes e depois de cada paciente. Atendimento presencial ou online, só depende de como o paciente se sente mais à vontade e confortável”, relata a psicóloga.

Na rede pública, os tratamentos oferecidos dependem da gravidade dos transtornos apresentados pelos pacientes. Casos graves são acompanhados pela equipe dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). Em Araucária, esse atendimento está acontecendo no CAPS II, localizado na Rua Professor Alfredo Parodi, 30, Centro. Casos leves e moderados são redirecionados para as Unidades Básicas de Saúde (UBS) da cidade.

Além de tratamentos na rede particular ou pública de Araucária, o Governo Estadual do Paraná também oferece apoio psicológico gratuito e virtual por meio do aplicativo Saúde Online PR, disponível na Google Play Store para sistemas Android.

Texto: Laís Almeida, sob supervisão de Maurenn Bernardo

Publicado na edição 1268 – 01/07/2021

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM