Colégio Marista retoma aulas com 70% de adesão por parte das famílias | O Popular do Paraná
Compartilhe esta notícia:
Nas salas de aula as carteiras foram dispostas conforme as regras de distanciamento. Foto: Marco Charneski

Adotando todas as medidas básicas de segurança contra a Covid 19, o Colégio Marista Sagrado Coração de Jesus retomou suas aulas. O reencontro foi um momento marcante. Após 10 meses estudando em casa, com todos os desafios e dificuldades impostos pelo ensino digital, os professores e alunos finalmente puderam compartilhar a alegria de voltar para a escola, mesmo em novos moldes. Na semana passada, foi a vez dos alunos da 3ª série do Ensino Médio voltarem e nesta semana, os demais segmentos, de forma escalonada em algumas séries que necessitaram dessa configuração, considerando a ocupação da sala de aula com distanciamento adequado e o índice de adesão ao presencial. O trabalho de aulas remotas para quem escolheu ficar por mais um tempo em casa continua seguindo simultaneamente.

Para receber os estudantes diante de um cenário de pandemia e da necessidade de cuidados para evitar a transmissão do vírus, o colégio fez várias adaptações. “As três medidas básicas de segurança ecoam em todos os espaços do Marista Sagrado, como o uso de máscara, manutenção do distanciamento e uso do álcool em gel, por meio de comunicação visual adaptada para cada faixa etária, marcações nas salas de aula e espaços de circulação. Também estamos com uma equipe de profissionais para a aferição de temperatura, uso do álcool em gel e higienização das mochilas. Incorporamos à rotina diária entre a troca de turnos, uma forma de desinfecção dos espaços, conforme orientações dos protocolos e treinamentos específicos que foram realizados. O Marista Sagrado, por pertencer a uma Rede de Colégios, conta com uma área específica do Grupo Marista, chamada Total Care, assim como o Hospital Marcelino Champagnat, que chancelam também as ações locais de segurança e proteção à vida”, comentou a diretora Danielle Barriquello.

Os alunos, segundo ela, estão se adaptando bem à nova realidade dentro do ambiente escolar, com ajuda das marcações visuais, que reforçam a necessidade do cumprimento dos protocolos, assim como uma sonorização colocada durante o dia, indicando que todos devem fazer a troca das máscaras. Vídeos feitos pelos professores também ajudaram a dinamizar a leitura dos protocolos. “São tempos diferentes, mas nada que possa ofuscar a alegria deles pelo reencontro com os amigos e professores. É claro que junto veio a ansiedade, de estar em um novo ambiente escolar, principalmente para quem é estudante novo no colégio. As crianças e jovens são surpreendidos em suas emoções, em algum momento, por não poderem dar um passo a mais ao encontro do outro, sobretudo no que envolve o contato físico, sendo logo lembrados dos protocolos. Felizmente percebemos forte influência das famílias que mantêm em suas rotinas os protocolos vivos e do quanto esses estudantes nos ajudam a educar quem, por algum motivo, deixa de cumprir algum combinado”, pontuou Daniele. A diretora destacou ainda, que o índice geral de adesão é de 70% por parte das famílias e há segmentos que esse percentual chega a 85%, como é o caso do Ensino Médio.

Método híbrido

No Colégio Marista, as conquistas pedagógicas do ano de 2020, com o uso de plataformas educacionais, acabaram dando forças para que em 2021, os acessos sejam cada vez mais cotidianos e integrados com o trabalho presencial, visando a ampliação e a personalização das aprendizagens. “A simultaneidade de vinculação das aulas presenciais com as remotas está caminhando bem, principalmente com estudantes a partir do 4º ano, mas a conquista do híbrido está para além de uma mera transmissão e nossas formações em 2020 já foram aquecimentos para iniciarmos novas construções de aulas”, analisou a diretora.

Para ela, não tem como negar que a experiência vivida pelos alunos na pandemia trouxe impactos emocionais, quando esses não impulsionaram novas formas de relacionamento, gerando retraimento, ansiedade demasiada e outras compensações (alimentares, intolerância às regras de convívio, dentre elas). “Há impactos também positivos, quando observamos que os estudantes puderam ocupar outras posições em suas turmas, assim como desenvolveram formas de comunicação interpessoal mais qualificadas. Por isso, nos preparamos para o acolhimento. A acolhida inicia com os sentimentos de pertença e de confiança gerados nas equipes de educadores. Temos que acolher quem acolhe primeiramente. O Projeto Sagrados Sentimentos e Interioridade são marcas do Marista Sagrado, pois abre espaço para a meditação, voltada à construção contínua de autopercepção sobre os sentimentos”, reiterou.

Texto: Maurenn Bernardo

Publicado na edição 1247 – 04/02/2021

Compartilhe esta notícia:
, , , , ,