Desde o inicio dos tempos invejar coisas alheias atiça a cobiça e se o desejo não for contido roubar vira solução. Quando são muitos os envolvidos na ação chamamos de bando ou quadrilha, se for uma Nação vira Guerra. Guerras ocorrem entre países e creiam, roubar sempre é o motivo principal, guerra custa muito dinheiro e ninguém entra numa guerra a toa sem levar nada em troca, guerras ideológicas são para amadores e desperdício de grana, alimenta o ego esvaziando o bolso.

Os saques primitivos causavam muitas mortes e destruição de forma que para compensar a empreitada os homens que restavam pagavam a conta com escravidão e as mulheres com prostituição, crianças e velhos eram descartados para eliminar bocas de comer.

Felizmente as coisas foram evoluindo e graças à politica as guerras de hoje em dia tornaram quase “indolores” e até imperceptíveis para a maioria, resumindo quase num reles bate boca entre torcidas de futebol.

Em todas as guerras prestar serviço ao invasor jurando fidelidade rende fortunas incalculáveis que podem desequilibrar o sujeito, veja o caso dos membros da Lava Jato.

Num mundo globalizado colocar um bando de confiança pra vigiar a população de um determinado país passou a ser um negócio que envolve um mecanismo muito sofisticado chamado de guerra hibrida. Na Síria a engenhoca deu errado mas o exército de mercenários ainda faz dinheiro por lá. Partidos Politicos, Mídia Comercial, redes sociais como facebook e whatsapp, órgãos de classe e forças armadas, são todos cooptados quando o negócio é muito grande, como no Pré-Sal.

Não é segredo pra ninguém que os Estados Unidos mantêm o controle quase absoluto do mundo através de sua máquina de guerra, que consome trilhões de petrodólares como nos ensinou Sadan Hussein e Muhamar Gadaff.
Para diminuir riscos da interferência externa, custos e desperdício de dinheiro com gastos desnecessários para refazer a infraestrutura do país saqueado, os Estados Unidos bolaram as formidáveis Guerras Hibridas onde um verdadeiro exercito de fuzileiros cibernéticos locais realizam a missão mais suja do negócio. Aos Yanques só interessa mesmo o Pré-Sal a discussão ele relegou aos “patriotas de segunda mão” que se lambuzam entre devaneios de louros e prejuízos da empreitada uniformizados pela Nike.

Texto: Edilson Bueno

Publicado na edição 1288 – 18/11/2021

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

O Rio Iguaçu (Parte 2)

O Rio Iguaçu inicialmente adentra o município apenas pela margem esquerda na Zona Rural após a foz do Rio Maurício, limite da Fazenda Rio Grande,

O Rio Iguaçu

Um dos rios que formam o Iguaçu, o pequeno Rio Atuba, nasce ao norte de Curitiba na divisa com Almirante Tamandaré e separa Curitiba de

Dep. Federal Ben Hur

O conhecido vereador Ben Hur tem seu nome emprestado do famoso filme de 1959 que arrastava multidões as salas de cinema de então, tornando se

A origem do mito

Como sabemos mitos são narrativas falaciosas, quase lendárias de um relato fantástico de tradição oral, geralmente protagonizado por seres que encarnam as forças da natureza

Um novo conceito político (II)

A mudança de hábitos e costumes foi só no executivo por enquanto, e a cidade necessitaria completar a mudança passando pelo legislativo também e assim

Um novo conceito político (I)

Terça feira amanheceu com aquela nebulosidade elevada, típica do outono nestas plagas. Em torno das 7 horas muitos araucarienses aproveitaram o’ clima ameno de 24

Faxinal dos Tanques

Não é exagero afirmar que o Hissan está mandando asfaltar toda zona rural da cidade e já tem eleitor preocupado com o que ele fará

Tudo como Dantes no Quartel D’Abrantes

Ao que tudo indica, a população gostaria que o Hissan continuasse administrando Araucária indefinidamente, mas o Sistema Eleitoral vigente no nosso país não permite que

Compartilhe

Share on twitter
Share on facebook
Share on telegram
Share on whatsapp