Das várias histórias narradas nesta edição de O Popular do Paraná, uma merece atenção especial de todos os nossos leitores. Ela abre a nossa editoria de Geral e relata o drama de uma mãe que, desconfiada do comportamento de seu filho, descobre que ele está consumindo drogas. Sem pensar duas vezes, ela toma uma atitude extrema: leva o filho e o tóxico encontrado com ele à polícia.

O drama enfrentado por essa mãe, moradora do bairro Fazenda Velha, é – talvez – o mesmo enfrentado por diversas outras mulheres araucarienses, que todos os dias se deparam com a presença das drogas em suas casas. Nossa personagem, porém, não se resignou, como fariam outras tantas mães. Encarou o problema de frente e com a atitude que tomou mostrou ao filho que o que ele estava fazendo não era algo lícito perante nossa sociedade. E esta ação pode ter sido o exemplo cabal que o rebento precisava para trilhar o caminho certo para toda a sua vida, o que, com certeza, garantirá ótimos natais para essa família de Araucária.

Mas nem só de coisas boas é feita esta edição. Uma notícia triste que não gostaríamos de dar para a comunidade local é o falecimento do jovem Euclides Roberto Ferreira. Ele se envolveu num acidente na última quinta-feira. Foi socorrido e aparentemente não corria risco de vida, mas seu quadro piorou consideravelmente e ele não resistiu. Para quem não o conhecia, o rapaz era um excelente jogador de xadrez. Representou a cidade em dezenas de competições e trouxe várias medalhas e troféus para a nossa comunidade. Morreu na plenitude de sua vida.

Outro assunto que merece atenção especial de nossos leitores é a matéria de abertura de nossa editoria de Política. Isso porque ela mostra o tanto de economia que a Câmara conseguiu fazer ao longo de 2013. E tudo isso com ações simples, como a revisão de contratos desnecessários que há anos estavam vigentes naquela Casa.

Enfim, como em todo o ano, essa edição de O Popular tem um pouco de tudo. Um ótimo Natal a todos e boa leitura!
 

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

A ética dos propagadores de fake news

O título desta crônica é provocativo, pois vivemos num tempo onde cada um é induzido a acreditar na sua fake news de preferência através da

Casa Bem Acabada

Iéste negócio da gente se meter a rabequista das véis dando o maior dos problema!! Sobrinha Roseli se achegando com cara cheia de felicidade contanto

Compartilhe