Todo político que se preze e que tenha pretensões de continuar disputando mandatos deveria ter em mente que as manifestações que tomaram conta das ruas do Brasil, em julho, foram um divisor de águas entre tudo aquilo que eles sempre fizeram e aquilo que eles terão que fazer a partir de então para continuar na vida pública. Isto porque, resumidamente, o que os brasileiros disseram em alto e bom som, foi que eles não estão satisfeitos com o modo como seus eleitos vêm representando-os.

Como muitos de nossos políticos são obtusos, talvez ainda levem certo tempo para entender o recado. Em Araucária mesmo, de uma maneira geral, não vimos nenhum dos nossos treze eleitos mudarem suas posturas diante do recado das ruas. Os onze vereadores, o prefeito e o vice continuam a agir da mesma maneira que agiam antes de julho e se o fazem é porque, ou são obtusos ou consideram que não precisam mudar porque o grito das ruas não os alcançou. Particularmente, não creio na segunda hipótese.

A população de Araucária, assim como a brasileira, não está satisfeita com seus políticos. Aqui, diga-se de passagem, o recado já havia sido dado nas eleições do ano passado, quando um alienígena político conseguiu mais de vinte mil votos para prefeito. E mesmo com aquele sinal, os vitoriosos nas urnas parecem não ter aprendido. Não mudaram o modo de agir, continuam a fazer o mesmo tipo de política que sempre fizeram condenando o próprio futuro político e, por consequência, condenando esta cidade a mais um ciclo de estagnação em seu desenvolvimento.

Aguardo ansioso pelo pleito de 2014, pois ele será o primeiro após o grito dos excluídos de julho passado. Creio que ele demonstrará que o país está mudando… e para melhor. Mais do que isso, creio ainda que quatorze servirá para que muitos dos políticos desta pobre cidade rica entendam que eles perderam o trem da história justamente no momento em que poderia ir sentados na janela.

Comentários são bem vindos. Até uma próxima.

VEJA TAMBÉM

Compartilhe