Jornal local diz que a deputada tentou coagir anunciantes ao enviar correspondência com timbre da Assembléia criticando o quinzenário

O proprietário de um jornal local entrou esta semana com representações no Ministério Público do Paraná e na Assembléia Legislativa contra a deputada estadual Rosane Ferreira (PV), por abuso de poder e quebra de decoro parlamentar. Ambas as denúncias se deram pelo fato de Rosane ter enviado a anunciantes do quinzenário uma carta com timbre da Assembléia Legislativa questionando notícias veiculadas no impresso e o acusando de não possuir “credibilidade editorial”. No documento, que pode ser lido na íntegra na página que a deputada mantém na internet (www.rosanedopv.com), a deputada também relata alguns dos trabalhos que está realizando como parlamentar na Assembléia.

Na representação apresentada ao MP, Rosane é acusada de ter tentado intimidar os anunciantes do periódico, fazendo com que essas empresas não renovassem os contratos de patrocínio, inviabilizando assim a manutenção do jornal. Consta em certa parte da representação: “…foi uma atitude autoritária, com o fito de inviabilizar a publicação do veículo de comunicação, dado que sobrevive unicamente dos anúncios de seus patrocinadores”.

Já na representação entregue à Comissão de Ética da Assembléia, a parlamentar é acusada de quebra do decoro, já que teria usado das prerrogativas do cargo de deputada para amedrontar os anunciantes do jornal. Nem o Ministério Público, nem a Assembléia Legislativa se pronunciaram ainda sobre as denúncias.

Procurada por nossa reportagem, a deputada disse que é uma defensora da democracia e que o proprietário do jornal tem o direito de procurar a justiça já que sentiu prejudicado. “Deixemos que a justiça prevaleça. Eu estou com a minha consciência tranqüila”, afirmou. Ainda segundo ela, esta situação é apenas um sinal de como serão as próximas eleições municipais.

Repercussão
A briga entre a parlamentar e o jornal repercutiu na mídia da capital, com matérias abordando o assunto sendo publicadas em jornais de grande circulação, como a Gazeta do Povo e em rádios como CBN e Banda B, bastante ouvidas em todo o Paraná.

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

A ética dos propagadores de fake news

O título desta crônica é provocativo, pois vivemos num tempo onde cada um é induzido a acreditar na sua fake news de preferência através da

Casa Bem Acabada

Iéste negócio da gente se meter a rabequista das véis dando o maior dos problema!! Sobrinha Roseli se achegando com cara cheia de felicidade contanto

Compartilhe