Uma olhada rápida pelas páginas das edições de O Popular do Paraná das últimas semanas era o suficiente para constatar que estamos em uma situação assustadora com relação à criminalidade em Araucária. Sem considerar os homicídios, em sua grande maioria ligados ao tráfico de drogas, o número de assaltos aumentou vertiginosamente. E não foi só a quantidade. Os bandidos estão cada vez mais ousados e violentos. O caso extremo e que chamou mais a atenção foi o de um assalto a uma empresa de implementos agrícolas onde o proprietário foi friamente assassinado, mesmo não tendo reagido ao vilipêndio de seu comércio.

Mesmo com um histórico de certa passividade em relação à violência, a comunidade local decidiu se mobilizar. Antes mesmo do homicídio do empresário a gritaria das vítimas estava tão grande que conseguiu eco junto às autoridades de segurança do Estado. Tanto é que, nesta semana, diversos segmentos da Polícia Militar, a Guarda Municipal e a Polícia Federal Rodoviária, fizeram uma grande ação para marcar presença e mostrar força diante da bandidagem.

É fato que operações como esta não costumam pegar muita coisa nem prender muita gente. E nem é essa sua razão. Seu principal objetivo é marcar presença, mostrar pra bandidada que Araucária não é terra de ninguém, que roubar aqui é perigoso, algo que afugenta os vagabundos. Afinal, vagabundo tem esse nome porque não gosta de se incomodar. Vai escolher para roubar sempre onde é mais fácil e mais seguro. A torcida agora é para que essas ações continuem, pois é só a frequência delas que fará com que mudemos essa nossa reputação de fregueses dos bandidos.
Pense nisso e boa leitura.
 

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

A ética dos propagadores de fake news

O título desta crônica é provocativo, pois vivemos num tempo onde cada um é induzido a acreditar na sua fake news de preferência através da

Casa Bem Acabada

Iéste negócio da gente se meter a rabequista das véis dando o maior dos problema!! Sobrinha Roseli se achegando com cara cheia de felicidade contanto

Compartilhe