A novela que estaria se tornando a construção de uma nova delegacia de polícia em Araucária é o tema da matéria que abre a nossa editoria Geral. Isto porque o parecer de um órgão municipal teria “desaconselhado” a construção do equipamento público em área situada na rua Santa Catarina, no jardim Santa Regina.

Salvo melhor juízo, o próprio parecer do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente é questionável, mas independentemente disso, o que chama a atenção no caso em tela é a dificuldade do Município de seguir com aquilo que foi combinado, posto no papel. Afinal, a construção da nova delegacia naquele terreno era algo pacificado há anos, talvez mais de uma década. Ora, desde que o quartel do Corpo de Bombeiros foi erguido ali, governante após governante, se compromete a transformar aquela região num complexo de segurança, com a construção de um quartel para a Guarda, outro para a Polícia Militar e a nova delegacia.

Inclusive, vale ressaltar que o próprio plano de governo do atual mandatária, que está registrado em cartório, prevê a edificação da nova DP naquele espaço. É justamente por isso que arrepia quando vemos um projeto dessa importância parado numa gaveta qualquer porque não haveria consenso quanto ao terreno.

Há anos que a cidade de Araucária carece de uma nova delegacia. A atual foi erguida em 1940 e está sucateada. A proposta do Governo do Estado, que foi omisso por anos com relação a isso, é das mais interessantes, pois pretende a construção de um novo modelo do DP na região do Santa Regina. Não estamos falando de uma cadeia pública. Estamos falando de uma delegacia administrativa, que reunirá setores de utilidade pública. Por isso não podemos olhar esse equipamento com preconceito, como parece ser o caso.

Nosso apelo é para que a situação se resolva o mais rapidamente possível e que o Município não perca esse equipamento – vital para que possamos viver em sociedade – por conta de enrolação e aparente despreocupação em resolver a situação. Pensemos nisso e boa leitura.
 

VEJA TAMBÉM

Caminho certo

É fato que a língua do povo sempre foi afiada e impiedosa. Os juízes da vida dos outros de plantão se adiantam em ser investigadores,

Compartilhe