Mulheres araucarienses aprendem uma profissão e complementam a renda familiar

Há cerca de três anos um grupo de mulheres de Araucária se uniu com o objetivo de desenvolver alguma atividade coletiva para geração de renda. A idéia era criar uma cooperativa, porém, ao tentar colocar a idéia em prática, esbarraram em burocracias e muitas dificuldades. No mês de junho do ano passado, ganharam o apoio da prefeitura municipal e, finalmente, conseguiram montar a tão sonhada Coopermarger, nome que deram ao empreendimento.

A parceria é realizada através da Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego, que auxiliou o grupo com maquinário e cursos voltados para a confecção de uniformes industriais. Além disso, elas também estão recebendo auxílio para providenciar a documentação da cooperativa. “Sem a ajuda da prefeitura não poderíamos estar aqui hoje, esse apoio é imprescindível. Agora temos uma profissão e também uma fonte de renda, o que é muito importante”, diz Edimaria de Oliveira, uma das participantes.

Segundo a presidente da Coopermarger, Lúcia Czarneski, o empreendimento começou pequeno, mas a idéia é ampliar cada vez mais o número de participantes. “Não temos limite. Hoje estamos em 17 mulheres e pretendemos crescer muito mais”, comenta.

Os cursos
Com o objetivo de fortalecer a cooperativa, por meio da qualificação profissional, a Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego, em parceria com o Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial), oferece também diversos cursos na área de vestuário para as participantes da cooperativa.

De acordo com a instrutora do Senac, Carla Emília Montivani Bento, as alunas já tiveram aulas de modelagem e atualmente estão fazendo um curso de aperfeiçoamento. “Esse módulo será concluído no próximo mês. Com os cursos elas aprenderão a fazer desde moldes até a costura dos uniformes”, diz.

A coordenadora do departamento de geração de renda da SMTE, Ilda Ana Andrutzetzen, disse que esta sendo oferecido um assessoramento completo a elas para que possam desenvolver um bom trabalho. “A cooperativa tem sido uma forma de atender a essas pessoas que estavam excluídas do mercado de trabalho e oportunizar uma fonte de renda, que sempre é muito bem vinda”, comenta. Mais informações pelo fone 3901-5309.

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

A ética dos propagadores de fake news

O título desta crônica é provocativo, pois vivemos num tempo onde cada um é induzido a acreditar na sua fake news de preferência através da

Casa Bem Acabada

Iéste negócio da gente se meter a rabequista das véis dando o maior dos problema!! Sobrinha Roseli se achegando com cara cheia de felicidade contanto

Compartilhe