Em breve, Av. Archelau voltará a ser mão dupla

Motoristas deverão ficar atentos nos próximos dias para a mudança no sentido da avenida
Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Motoristas deverão ficar atentos nos próximos dias para a mudança no sentido da avenida
Motoristas deverão ficar atentos nos próximos dias para a mudança no sentido da avenida

A Avenida Archelau de Almeida Torres passará a ter sentido duplo e a previsão da Secretaria Municipal de Urbanismo – SMUR é que esta mudança comece a valer até a primeira quinzena de setembro. Hoje a via tem sentido único, do centro ao bairro, mudança que ocorreu em novembro de 2011.

A Prefeitura de Araucária, por meio da SMUR, decidiu retomar o que era antes devido a um pedido feito pelos comerciantes daquela via. Um grupo deles (comerciantes) se reuniu na segunda-feira, 4 de agosto, com representantes das secretarias de urbanismo, de Governo e CMTC para discutir sobre a mudança.

“Nós concordamos em fazer a modificação e a Archelau será transformada numa espécie de avenida comercial com tráfego lento. O objetivo é fomentar o comércio existente ao longo da via e garantir a segurança dos pedestres. Também estamos fazendo um estudo para viabilizar outras vias de escoamento mais rápidas, para dar mais opções aos motoristas”, explicou o secretário da SMUR, Elias Kasecker Junior.

Para o presidente da Associação Comercial, Carlos do Valle, a expectativa em relação a essa mudança é positiva. “Os motoristas diminuirão a velocidade para passar pela avenida e com isso aumentam as oportunidades de negócios”, comentou.

Sem alterações

Kasecker acrescentou que o sentido das ruas Bertolino Pizzatto e Heitor Alves Guimarães vão continuar como estão hoje. Apenas as linhas de ônibus que atualmente utilizam a Archelau passarão a circular pela Heitor Alves Guimarães.

Nas próximas semanas, a nova sinalização começará a ser implantada. “Faremos um trabalho de orientação junto aos motoristas e pedestres, da mesma forma que foi feito quando a via se tornou mão única, para que a população não seja prejudicada com estas mudanças”, pontuou Kasecker.