Posto pressiona distribuidora que, de olho no mercado da Capital, vendia mais barato em Curitiba

Pelo jeito a pressão dos consumidores foi grande. Também pudera, com o litro da gasolina sendo vendido a cerca de R$ 2,07 em Curitiba, enquanto em Araucária tinha posto comercializando o mesmo produto a R$ 2,49, os donos de postos de combustível daqui ouvem diariamente reclamações de seus clientes.

Cansado das queixas, Isac Fialla, do Posto Fialla, da bandeira BR (Petrobras), disse que teve que apertar muito sua distribuidora para conseguir uma redução no custo dos combustíveis. “Eu sei que eles estavam pagando cerca de R$ 0,71 o litro do álcool. E em Curitiba a distribuidora repassava para os postos de lá a um preço bem mais baixo que aqui em Araucária. Estávamos perdendo clientes por conta disso”, relatou o empresário. Com o desconto que ele conseguiu na compra, que ele não diz qual é, terminou por baixar os preços da gasolina para R$ 2,19 e do álcool para R$ 1,19.

Segundo seus concorrentes, a atitude de Fialla deve provocar uma queda geral nos preços locais. “Pretendo baixar nossos preços na bomba. Mas, para isso, preciso que nossa distribuidora colabore reduzindo nosso custo”, disse Leandro Paez, do Posto Xodó, que ostenta a bandeira Ipiranga. Na verdade, nas últimas semanas os postos locais já haviam começado uma tímida baixa nos preços. “Eu tenho repassado cada desconto que eu tenho na compra. Porém, a distribuidora tem feito reduções, embora constantes, de poucos centavos”, juntifica Leandro.

Atenção para os grandes centros
O que os donos de postos são praticamente unânimes é quanto ao fato de que as distribuidoras brigam no preço apenas nos grandes centros onde o consumo é maior. Em cidades como Curitiba, Maringá ou Londrina os preços são muito mais baixos do que nas cidades vizinhas.

Essa redução desigual nos preços chama a atenção dos consumidores para o fato de que pode ser iniciada uma verdadeira concorrência de preços entre os donos de postos, coisa que não acontecia na cidade há um bom tempo. Para Edson Bovim, funcionário de uma indústria da cidade, que é cliente do Posto Fialla, a redução ocorrida ontem representa cerca de R$ 15 de economia por mês. “O valor não é muito, mas já ajuda”, comemorou.

VEJA TAMBÉM

Errata: Edital de Proclamas

Na edição nº 1237 do Jornal O Popular, que circulou nesta quinta-feira, 5 de novembro, erramos a data da página 12. O correto é 5

Quarentena, nutrição e ansiedade

Você se considera uma pessoa ansiosa? Você come mal quando não se sente bem? Ou não se sente bem porque come mal? A ingestão de

Compartilhe