Perguntaram-me na semana passada se eu continuaria escrevendo sobre política (e politicagem) caso o prefeito de Araucária venha a ser – a partir de 2013 – outro. O Olizandro ou a Rosane, por exemplo. Respondi que sim!

Diante da minha resposta, questionaram-me se eu criticaria de forma tão seguida e contundente, como faço hoje, os governos de Rosane ou Olizandro. Respondi: é claro… que não!

Calma, explico! As críticas não seriam tão frequentes pois é impensável que alguém consiga fazer um governo tão ou mais medíocre quanto o que estamos vivenciando em nossa cidade atualmente. O governante da hora consegue superar nossas piores expectativas. Quando achamos que a inércia e as balelas do comandante mor alcançaram seu ápice, ele vai lá, mostra que estávamos errados e arranja um jeitinho de ser um pouco mais incompetente. Seja com suas operações tapa-buracos Jack Bauer, cujo remendo estoura em 24 horas. Ou com suas promessas de campanha distorcidas ou simplesmente ignoradas.

Vejam o caso do tal do projeto Um Computador por Aluno (sim, estou voltando ao assunto e voltarei outras vezes mais até 31 de dezembro de 2012). Na campanha, o prefeito disse que os equipamentos poderiam ser levados pra casa e que haveria Internet gratuita no entorno das comunidades escolares. Eleito, o projeto mudou. Nada de computadores em casa e quiçá Internet grátis para os alunos. E o pior, o sujeito ainda tem a pachorra de afirmar que não disse que os computadores poderiam ser levados pra casa. Das três, uma: ou ele está senil, mentiu mesmo, ou acha que o povo é trouxa.

O check-up gratuito para todos os moradores da cidade é outro exemplo. O programa sequer foi implantado e já deixou de ser “para todos”. Pô… assim, não dá! É tanta promessa não cumprida ou vergonhosamente distorcida que meu coração e nervos não agüentam. Minha pressão vai lá em cima com tamanha cara de pau deste pessoal. Logo, mesmo com 25 anos, precisaria sim do meu check-upezinho. Só pra garantir que terei saúde para continuar escrevendo sobre política (e politicagem) em administrações futuras. Estou numa situação, que toda vez que o prefeito ou seus secretários ameaçam abrir a boca, já sinto calafrios e prevejo: pronto, lá vão eles dizer que foi eu quem entendi errado a promessa. Como diria o Galvão Bueno, haja coração (e saco) pra agüentar tanta enrolação!!!

E você, amigo leitor? Quer falar o quê? Deixe seu pitaco e até semana que vem!

VEJA TAMBÉM

Compartilhe