Mais federados do que podia

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Mais federados do que podia
Segundo o que rege o campeonato, são permitidos somente três atletas federados por time

A III Copa Araucária de Futsal, que ocorreu durante quatro meses desse ano, começou levantando certa polêmica e finalizou com denúncias batendo na mesma tecla. No início da competição, das 91 equipes inscritas, 35 desistiram, pois foram acionadas pela SMEL para serem remanejadas já que estavam irregulares, possuindo mais de três atletas federados em cada time. Os representantes dos times do Sagrado Coração, Figas, Metropolitano, Marcelo e São Vicente afirmaram que dessa forma a SMEL não estava estimulando os atletas da cidade, já que não é possível mostrar para Araucária as equipes que competem em Curitiba e região e, por esse motivo, saíram da competição.

De acordo com o secretário da SMEL, Wanderley Haddad, o regulamento, lançado em março deste ano, sempre foi bem claro quanto aos atletas federados, conforme grifa o artigo 14: "Para as categorias Sub 13, Sub 15 e Sub 17 (Masculino e Feminino) cada equipe terá direito de inscrever até, no máximo, 03 atletas federados (na modalidade futsal) no ano de 2011. Nas demais categorias o número de atletas federados inscritos é livre". De acordo com ele, isso é exigido para que as equipes competidoras fiquem mais equilibradas, democratizando a Copa.

Denúncia
No último sábado, 22, a competição foi finalizada, e no dia 26 de outubro Rodrigo Marins, representante do Sagrado e Metropolitano, entrou em contato com O Popular denunciando que, segundo ele, a equipe do Colégio Sesi, categoria sub-17, participou da competição com mais de três atletas federados, o que não podia no regulamento. Conforme afirmou, a equipe entrou em campo com mais de três atletas federados na final, que aconteceu com vitória do Projeto Sidnei Lima. Indignado, o professor se manifestou: "Ora, por que o Sesi pode participar e as outras escolas do município não? Será que foi uma censura aos professores que não têm envolvimento político com a SMEL?", indagou.

Erro
Em contato com a SMEL, após investigarem o caso, a secretaria assumiu o erro. Após consultar a Federação Paranaense de Futebol de Salão – FPFS, e os registros dos atletas inscritos, verificou que houve realmente um erro por parte da coordenação da Copa ao permitir que a equipe SESI disputasse a competição com um atleta federado a mais do que o permitido. Conforme explicaram, quando foi realizada a inscrição dos atletas da equipe SESI, na sua ficha de inscrição foi informado que havia, naquele momento, 3 atletas federados (os nomes não serão divulgados para não expor os menores). Foi feita uma consulta com base na categoria em que os atletas estavam inscritos (SUB 17) e verificou-se que, de fato, esses atletas estavam federados na categoria que foram informados. Com o andamento da competição, houve uma substituição de um atleta federado por outro, até então uma condição normal, uma vez que foi feita uma substituição entre federados.

"Agora, ao término da competição, foi feita a denúncia envolvendo um atleta. Ele estava inscrito desde o início da competição, porém foi informado como não federado pela equipe SESI, e na busca pelo seu nome dentro da categoria de origem (SUB 17) não foi encontrado. O que acontece é que esse atleta não é da categoria SUB 17 e sim federado na Categoria SUB 15 pela equipe Congregação da M. Providência do Sul, por esse motivo, no momento em que foi feita a consulta não encontramos seu registro na categoria SUB 17", explicaram em comunicado.

A SMEL salientou que no momento da inscrição da equipe SESI não foi apresentada data de nascimento dos atletas, e sim número do RG de cada um, juntamente com o nome e a condição de federado ou não. "Assim, até aquele momento, não era possível saber se o atleta era da categoria ou mais novo. Sabemos que houve um erro grave por parte da Coordenação no sentido de verificar os atletas inscritos, mas não acreditamos que houve má fé por parte dos representantes da equipe SESI nem por parte da Coordenação da Copa, uma vez que durante toda a competição procurou verificar as irregularidades assim que surgiam e eram denunciadas. Lamentamos somente que a denúncia tenha acontecido somente após o término da competição, sendo que o denunciante é professor de um dos atletas envolvidos e sabia da irregularidade, segundo informações que foram passadas à SMEL. Se a denúncia tivesse sido feita ainda durante o período de jogos, poderia ter sido resolvido de forma mais rápida e correta, como foi feito com todos os outros casos similares; quando alguma equipe tinha alguma dúvida, imediatamente consultávamos a Federação de Futsal", explicaram.
Todas as ações da Coordenação da Copa foram feitas de forma democrática e transparente, buscando sempre oportunizar as mesmas condições de disputa para todos os atletas e equipes, afirmou a Secretaria. "Nunca nos colocamos do lado de nenhuma equipe ou privilegiamos qualquer atleta ou dirigente, e isso foi observado pelos representantes das equipes participantes da copa", finalizaram.

Sesi
Para deixar tudo esclarecido, Rafael Racioppe, responsável pela equipe do Colégio SESI, e o atleta vieram até a redação do O Popular: "O que aconteceu foi realmente um erro. No começo da competição o atleta não estava federado, foi feita uma reunião em que perguntei a todos qual era a situação. Mas durante o decorrer da competição ele foi federado, mas omitiu a informação não sei porquê; eu fiquei sabendo disso somente agora", explicou o professor.

Em uma atitude inocente, o atleta afirmou que omitiu a informação do professor por querer continuar na competição. "Durante o campeonato me tornei federado, acabei não contando a informação porque queria jogar no metropolitano e outras competições", explicou. De acordo com o professor, eles recebem uma ficha de controle, durante a competição, das condições dos atletas: cartões, faltas, estado na federação, etc. "A maior questão é deixar claro que isso não foi uma ação de má fé, o erro foi da falta de comunicação interna da equipe e a secretaria não ter verificado a situação, mas, por descuido, infelizmente, houve esse erro", finalizou Rafael.