“Minha candidatura não depende de Zezé”, diz Rui

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

“Minha candidatura não depende de Zezé”, diz Rui

Sob os olhares atentos de filiados ao PT, Rivadal Padilha passa o bastão para Rui Sérgio

Uma nova era começou no diretório local do Partido dos Trabalhadores (PT) na noite desta quinta-feira, dia 18. Pela primeira vez na história do PT local, alguém que não tem raízes históricas com o partido assumiu seu comando. Rui Sérgio Alves de Souza recebeu na noite de ontem o cargo de presidente da sigla das mãos de seu antecessor, Rivadal Padilha.

A cerimônia aconteceu no plenarinho da Câmara Municipal de Araucária e contou com a presença de algumas dezenas de filiados. Antes de deixar o posto, Rivadal relembrou um pouco de sua história dentro do PT, ao qual se filiou em 1.988. Disse que se orgulhava do tempo em que passou no comando da sigla, das brigas que comprou e das amizades que fez. “Saio com a cabeça erguida. Cumpri o meu dever e não quero mais ser presidente”, disse, para em seguida desejar boa sorte ao seu sucessor.

Petista recente, Rui afirmou que aprendeu a gostar do partido e que assume a presidência da sigla com o objetivo de torná-la a maior de Araucária. “Hoje temos cerca de 800 filiados e muitos outros já estão vindo. Vamos fazer história nesta cidade”, profetizou.

O vereador fez questão ainda de fazer uma referência aos companheiros mais antigos do PT. “A minha história dentro do partido ainda é recente e é por isso que os companheiros mais antigos têm o meu respeito. Eles são de um tempo em que quem era do PT sofria. Eu não peguei esse tempo, mas tenho certeza que posso contribuir juntamente com minha equipe para fazer história com esse partido. Vamos preparar o PT para governar esta cidade”, enfatizou.

“Minha candidatura não depende de Zezé”, diz Rui

Rui bate no peito e diz que é sim pré-candidato

Novas batalhas

Rui destacou ainda que já assume o PT com grandes projetos políticos ainda para este ano. “Sou pré-candidato sim a deputado estadual e só não saio se o PT não quiser”, garantiu. Ele ainda afirmou que emissários da atual administração municipal já conversaram com ele tentando fazê-lo mudar de ideia.
 
“Enquanto presidente da Câmara sempre trabalhei em prol do melhor para Araucária, mas a minha carreira solo é diferente da Prefeitura. Minha candidatura a deputado não depende do Zezé e de nenhum outro político. Por isso, sou sim pré-candidato e só deixo essa condição se Deus impedir ou o partido não deixar”, reafirmou.

“Não tenho medo”

Sobre os recursos para bancar uma candidatura a deputado estadual, Rui afirmou que tem as portas abertas junto a empresas privadas e o apoio de companheiros. “Não é preciso de tanto dinheiro assim. Em 2008 tinha menos recursos do que outros candidato e me elegi vereador com 2.027 votos. Eu não tenho medo de trabalhar e minha equipe já está abrindo frentes em outras cidades”, avisou.

35 mil votos

Sobre a quantidade de votos necessárias para uma eventual eleição, Rui disse ter plena convicção que sua candidatura é viável. “Com 35 mil votos conseguimos a eleição. Os candidatos do PSDB, por exemplo, precisarão de 45 ou 50 mil. É perfeitamente possível. Ainda mais considerando que teremos chapa completa, com candidatos a senador e presidente”, finalizou.

Fotos: Waldiclei Barboza