Nunca escondi de ninguém que tenho certo apreço pelo prefeito Olizandro José Ferreira. Obviamente, não um apreço tão grande como o do meu amigo Genildo Carvalho, que, inclusive, o chamou para ser seu padrinho de casamento (rs!), isso há muitos anos. Porém, não é pelo apreço e sim pelo fato de ser um cidadão araucariense, que me sinto no direito de pedir uma única coisinha ao chefe do Executivo municipal: pare de olizandrices!

Digo isto porque é triste vermos a pessoa a quem a população outorgou o direito de cuidar desta cidade cometer tantos equívocos em tão curto período de tempo e sabe-se lá movido por quais interesses. Já passou da hora de a administração municipal agir de maneira mais séria. Olizandro, mais do que nunca, precisa trocar a botina bico de ferro que ele calça para se proteger dos próprios tiros no pé que anda dando e colocar as chamadas sandálias da humildade, própria dos grandes governantes.

Passado um ano de gestão e superada, pelo menos por enquanto, a discussão acerca da sua elegibilidade, esperava-se mais dele, principalmente administrativamente. Isto porque, em termos de grandes obras, boas sementes foram plantadas em 2013. Agora, é preciso organizar a cozinha da casa, lavando as panelas sujas que estão na pia, varrendo o chão que está todo sujo (mas não adianta varrer para debaixo do tapete) e assim por diante.

 Olizandro precisa parar de enrolar a opinião pública e, o pior, a própria equipe, desmotivando-a ao dar mais atenção aos que pouco produzem em detrimento daqueles que realmente estão procurando trabalhar. Por exemplo, é inaceitável o que se vê hoje na Secretaria de Finanças. Lá, é notório que o diretor geral manda mais do que o titular da pasta, que parece ter sido reduzido a um mero “assinador” de documentos. Para piorar a situação deste, o próprio prefeito já andou dizendo por aí que não pretende mantê-lo no cargo, porém, até agora, ele não ratificou a situação, o que só aumenta a instabilidade no setor. A pasta de Finanças, diga-se de passagem, se tornou ao longo de 2013 e início de 2014 um dos principais adversários de Olizandro, sendo hoje vista com maus olhos por muitas secretarias e também por fornecedores.

 É incrível também a passividade com a qual o prefeito trata o péssimo trabalho que vem sendo realizada pela Secretaria de Meio Ambiente, que não consegue concluir licitações simples, mas importantes para o Município, o que acabou por criar uma verdadeira farra de contratos emergenciais naquele setor. Ora, qualquer prefeito meio inteligente já teria metido o pé no secretário e no diretor geral daquele órgão. Olizandro, porém, apesar de ser muito inteligente, só empurra a situação com a barriga. Outro gargalo da administração é a Procuradoria Geral do Município (PGM), que recebe críticas de todos os lados e que ao longo do ano passado mais chamou a atenção por brigas de caráter corporativistas dos advogados que lá trabalham do que qualquer outra coisa. Prefeito, o senhor sabe o que precisa fazer neste caso e com dois decretos acaba com o problema e com mais dois, o resolve ou pelo menos o ameniza. No caso da PGM, eu mesmo, pasmem, já estou querendo lançar a campanha “Volta Genésio!”.

Mais triste ainda é saber que apesar de já ter consumido meus dois mil caracteres semanais, há vários outros casos de olizandrices por relatar. Mas, por enquanto, paremos por aqui. Até semana que vem.

VEJA TAMBÉM

Compartilhe