Se a primeira imagem que temos de uma escola de educação especial é a de um lugar onde estudam crianças diferentes das demais, deixando prevalecer a discriminação e a estigmatização, uma visita às escolas especiais mantidas pela Secretaria Municipal de Educação – SMED, pode mudar essa impressão. Mais que isso, mostra que o esforço de profissionais especializados é capaz de transformar uma instituição num exemplo de ensino inclusivo e inovador.

O departamento de educação especial da SMED mantém três escolas especiais, 23 classes especiais, 22 salas de recursos de dificuldade de aprendizagem, três salas de condutas típicas (atende alunos com distúrbios de comportamento) e dois centros de atendimentos especiais, sendo um na área visual e outro na área da surdez. Isso representa um universo de mais de 1.200 alunos com necessidades educacionais especiais.

Além disso, mantém um projeto que consiste num espaço alternativo para aquisição da Língua Portuguesa, um programa de autismo nas escolas especiais, o teatro de surdos (Grupo Expressão) e a olimpíada cooperativa da diversidade.

Para a diretora do departamento de educação especial da SMED, Elair Hasselmann de Bastos, a proposta deste trabalho é repensar transformações em todo o processo educativo. “O acesso e a apropriação ao conhecimento e à educação são fundamentais para a inclusão social porque servem de apoio para o desenvolvimento das condições básicas de sociabilidade”, comenta.

Mais benefícios
O departamento ainda é responsável pela avaliação psicoeducacional dos alunos da rede regular através do encaminhamento para área de saúde e serviços da educação especial. Também encaminha alunos e outras pessoas com deficiência da comunidade para o mercado de trabalho por meio do Serviço de Apoio à Inclusão no Trabalho.

Este último é um projeto pioneiro no Paraná e Araucária foi o primeiro município a fazer parceria com o CIEE para estágio de pessoas com deficiência. Segundo a SMED, este ano cerca de 90 pessoas já foram inseridas no mercado de trabalho através deste serviço.

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

A ética dos propagadores de fake news

O título desta crônica é provocativo, pois vivemos num tempo onde cada um é induzido a acreditar na sua fake news de preferência através da

Casa Bem Acabada

Iéste negócio da gente se meter a rabequista das véis dando o maior dos problema!! Sobrinha Roseli se achegando com cara cheia de felicidade contanto

Compartilhe