Perguntaram-me recentemente o que eu pensava da possível candidatura do empresário Hissan Hussein (PPS) para prefeito de Araucária em 2012. Respondi com sinceridade que achava a ideia excelente. Dias atrás, voltaram a me fazer pergunta semelhante, só que o postulante ao posto era outro: o empresário Eliceu Palmonari (PSC). Efusivamente, afirmei que a possibilidade era magnífica.

Entre a pergunta sobre uma eventual candidatura de Hissan e a de Palmonari, pediram minha opinião sobre o fato de o ex-prefeito Olizandro José Ferreira (PMDB) também estar de olho na Prefeitura em 2012. Comentei que era esplendida tal notícia. E complementei: tomara que o Olizandro saia mesmo candidato!

Ainda sobre a sucessão do próximo ano, conversei com um cabo eleitoral do vereador Rui Sérgio Alves de Souza (PT), que garantiu que o edil tentará a vaga de chefe do Executivo em 2012. Comemorei com ele a notícia e disse “é isso aí, tem que sair candidato mesmo. O Rui tem chances”.

Também sobre esse assunto, fui interpelado por um assecla do atual prefeito Albanor José Ferreira Gomes (PSDB), que já me avisou: “o Zezé será candidato à reeleição”. Eu arregalei meus olhos e dei força: “que bom! Tem que tentar mesmo”.

Outro assecla do grupo de Albanor, dia desses, bateu no meu ombro, baixou o tom de voz e cochichou: “O Zezé não vem. O candidato será o Isac”. De novo, arregalei os olhos, manifestei surpresa e soltei um “É mesmo?”. Ele confirmou: “certeza!”. Com a voz séria, eu finalizei: “tem sentido. E o Fialla tem chances!”, apoiei.

Tenho ouvido tanto falar da sucessão municipal, que até o Negão, cão com incontinência fecal e urinária que frequentou um de meus textos num passado recente, já andou dando uns latidos no CCZ que me pareceram um recado claro: “serei candidato a prefeito em 2012”.

No entanto, embora seja salutar ver tantas pessoas de olho na viúva rica, confesso que não sinto na maioria deles a disposição necessária para promover as mudanças que esta cidade precisa para ser realmente um lugar melhor para se viver. Muitos deles parecem estar atrás de um projeto de poder para si e seus chegados e não para a sociedade como um todo. E isto não é bom!

É claro que alguns podem dizer que eu estou errado (e torço para estar) e que as grandes discussões até agora não foram feitas porque ainda não chegou o momento. Mas eu, sinceramente, não consigo engolir essa. Considero até salutar a antecipação do debate sobre a sucessão, mas desde que ele englobe todas as discussões necessárias. Do contrário, prefiro me concentrar em acompanhar, sugerir, fiscalizar, criticar e elogiar o mandatário atual. Que, aliás, era o que os demais pretendentes da viúva rica deveriam estar fazendo. Até para saber o que eles não poderão fazer a partir de 2013.

E você, amigo leitor, o que pensa sobre o assunto? Dê seu palpite no blog e até semana que vem!
 

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

A ética dos propagadores de fake news

O título desta crônica é provocativo, pois vivemos num tempo onde cada um é induzido a acreditar na sua fake news de preferência através da

Casa Bem Acabada

Iéste negócio da gente se meter a rabequista das véis dando o maior dos problema!! Sobrinha Roseli se achegando com cara cheia de felicidade contanto

Compartilhe