Escoteiros entrevistam pessoas da comunidade sobre temas polêmicos

Na semana que antecedeu o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, 12 de junho, o Grupo de Escoteiros Gralha Azul Cepe/Petrobras realizou uma série de atividades com a comunidade. A iniciativa fez parte de um projeto que já vem desenvolvendo pelo grupo há alguns meses, intitulado Presentes para a Paz.

Os escoteiros foram divididos em equipes e a primeira delas, composta por integrantes entre 11 a 15 anos, entrevistou a coordenadora da Rede de Proteção Especial da Secretaria Municipal de Promoção Social e Cidadania de Araucária, Otávia Cavalcanti de Souza. Na ocasião, os jovens entrevistadores questionaram a coordenadora sobre o tema Crianças de Rua e Crianças na Rua. Segundo eles, foi uma experiência interessante, pois a questão é de responsabilidade de todos e precisa ser debatida.

A segunda equipe, formada por jovens entre 15 e 18 anos, entrevistou a população que passava pelo terminal rodoviário, desta vez sobre o tema Gravidez na Adolescência, que de acordo com eles, também tem sido bastante debatido nos dias atuais.

História
O dia 12 de junho é marcado como o Dia Mundial contra o Trabalho Infantil. A data é lembrada como um protesto contra a injustiça em que se encontram meninos e meninas que trabalham por longas jornadas, em condições perigosas e, muitas vezes, colocando em risco suas próprias vidas.

A comemoração existe desde 2002, à partir de uma iniciativa da OIT (Organização Internacional do Trabalho) em chamar a atenção de sociedades e governos à importância da implementação das Convenções nº 138, que estabelece idade mínima para admissão do emprego, e nº 182, que trata das piores formas de trabalho infantil.

Trabalho infantil é toda forma de trabalho exercida por crianças e adolescentes, abaixo da idade mínima legal permitida, conforme a legislação de cada país. No Brasil, trabalho com menos de 16 anos é ilegal e judicialmente punido. O artigo 2º, item 1º, da Convenção 138, da OIT, fixa como idade mínima recomendada para o trabalho, em geral, 15 anos.

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

A ética dos propagadores de fake news

O título desta crônica é provocativo, pois vivemos num tempo onde cada um é induzido a acreditar na sua fake news de preferência através da

Casa Bem Acabada

Iéste negócio da gente se meter a rabequista das véis dando o maior dos problema!! Sobrinha Roseli se achegando com cara cheia de felicidade contanto

Compartilhe