Burocracia e incompetência!

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Entra ano sai ano vemos certos setores da administração pública emperrados pela maldita burocracia e incompetência administrativa de seu corpo de técnicos, sejam estes efetivos ou comissionados.

Atualmente, por exemplo, temos visto áreas públicas sendo tomadas pelo matagal por conta da dificuldade que a Prefeitura tem encontrado em concluir a licitação para contratação da empresa que executará o serviço.

A versão mais fácil para explicar tanta demora na conclusão da licitação dará conta de que isso é culpa da burocracia inerente aos atos da administração pública quando, na verdade, não é. A culpa é estritamente da falta de planejamento das secretarias responsáveis pelo serviço.

Vejam que estamos falando da demora injustificável na realização da licitação de um serviço comum da Prefeitura. Não é algo excepcional, uma obra de arte, um programa que está implantado no Município agora. Cortar o mato é uma necessidade que existe desde sempre nesta cidade. A legislação que regulamenta a contratação da empresa que fará esse serviço é de 1993 (25 anos!!!), com algumas poucas alterações posteriores. Ou seja, não se trata de inventar a roda. É só colocá-la para girar. Não é possível que nem isso o corpo técnico deste Município, com seus altos salários pagos pelo contribuinte araucariense, consiga fazer.

E, o pior disso tudo, é que o caso da licitação da roçada não é exceção. Existem vários outros procedimentos que estão batendo na trave já há vários meses por incompetência administrativa das secretarias municipais, como é o caso do certame da iluminação pública, da coleta de lixo e da contratação de merendeiras, só para ficarmos em três exemplos.

É preciso rever urgentemente quem são os profissionais e/ou setores responsáveis pela elaboração dos projetos básicos, plano de trabalho, entre outros, que estão trabalhando contra a cidade e sua população. Sim, porque criar, propositadamente ou não, entraves à execução de serviços rotineiros é inaceitável. Ora, como é possível, como é aceitável que haja questionamento a formalidade de editais de licitação, que empresas apresentem preços inexequíveis e que vacinas para isso não tenham sido preparadas pelo bendito engenheiro, advogado, administrador, arquiteto e/ou outro funcionário desta Municipalidade, pagos exclusivamente para fazer isso?

Alguém, por favor, me ajude a responder a esta pergunta! Comentários são bem vindos em www.opopularpr.com.br. Até uma próxima!

 

Publicado na edição 1097 – 25/01/2018

Burocracia e incompetência!