Irresponsabilidade dos governos agrava a pandemia no Brasil

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp

Esta Coluna é de responsabilidade do Sismmar e não representa necessariamente a opinião do jornal O Popular

O resultado da irresponsabilidade do Presidente da República, governadores e prefeitos é o aprofundamento da crise sanitária e o avanço da pandemia de Covid-19. Enquanto alguns países já ensaiam a volta à normalidade, o Brasil vive uma terceira “onda” da pandemia, sem sequer ter se recuperado das ondas anteriores que colapsaram os sistemas de saúde público e privado.

No Paraná, faltam remédios utilizados na intubação de pacientes com Covid-19, faltam profissionais de saúde para atender a grande quantidade de pessoas que necessitam de hospitalização e há uma enorme fila de espera por leitos de UTI para Covid, entre outros problemas. Porém, nem mesmo essa realidade caótica fez com que o governador Ratinho Jr adotasse medidas mais rígidas para o controle da pandemia.

Além de permitir o funcionamento de diversos serviços que não são essenciais enquanto o número de contaminados pelo coronavírus aumenta de forma muito rápida no estado, o governador do Paraná escolheu o pior momento da pandemia para permitir o retorno presencial nas escolas. Mais de 600 colégios estaduais estão autorizados para o ensino presencial, além de toda a rede privada de ensino.

Ratinho suspendeu as atividades presenciais em todas as Secretarias de Estado por 21 dias e vem aparecendo constantemente nos canais de televisão pedindo para que a população se cuide e tenha os devidos cuidados com relação à pandemia. Mas, é no mínimo contraditório que o governador tome a medida e faça esse pedido ao mesmo tempo em que permite a volta das aulas presenciais, que certamente vão provocar um aumento no número de casos e de mortes por Covid-19 devido à exposição desnecessária de professores, funcionários de escolas e estudantes ao vírus.

Além da variante de Manaus, que provoca sintomas mais graves, é mais letal e chegou ao estado no início deste ano, agora também circula pelo Paraná a cepa indiana, para qual as vacinas existentes podem não ser eficazes. Os especialistas e infectologistas também já alertam para a piora da pandemia na região sul com a chegada do inverno e o fato de que a Covid-19 está atingindo, cada vez mais, os mais jovens. Nesse cenário, é realmente seguro voltar com aulas presenciais, como diz o governador?

Araucária, por sua vez, segue o mesmo rumo dos municípios onde os prefeitos optaram por não adotar medidas mais duras para o enfrentamento da pandemia, como o lockdown. Os comércios já fecharam e reabriram diversas vezes e, por conta da falta de políticas mais sérias de combate ao coronavírus, devem continuar nesse ritmo que favorece tanto o aumento dos casos de Covid-19 quanto o enfraquecimento da economia local – com a falência, principalmente, das pequenas empresas.

A tragédia do coronavírus no Brasil é resultado da política genocida disseminada por Jair Bolsonaro e adotada por seus aliados, como Ratinho Jr. Já são mais de 450 mil mortos pela irresponsabilidade desses governantes diante da pandemia e mais milhares vão ainda morrer, caso o presidente, o governador e os prefeitos sigam com a política de morte e o discurso de que “a economia não pode parar”.

Basta de descaso com a vida! Todos os esforços devem ser para garantir vacina para toda a população já!

Publicado na edição 1263 – 27/05/2021

O Popular do Paraná é o jornal mais antigo de Araucária, na RMC. Circula ininterruptamente desde 21/04/1998. Sua edição impressa vai aos pontos de venda sempre às quintas-feiras.

© Todos os direitos reservados 2021