Entre as frutas plantadas na área rural de Araucária está a maça. Foto: Marco Charneski

EDIÇÃO ESPECIAL DE ANIVERSÁRIO – 132 ANOS

Blueberry, physalis, kiwi, lichia. Até bem pouco tempo atrás, muita gente ouvia falar, poucas sabiam que esses nomes complicados eram de frutas. Mas graças a um time de agricultores de Araucária, as frutas exóticas vêm se popularizando – não só entre os consumidores, mas também entre os produtores da cidade.

Pouca oferta de mercado, boa adaptação ao clima e manejo simples, e claro, o preço nas alturas, têm atraído cada vez mais os produtores. De acordo com a Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, pelo menos dez propriedades investem atualmente no cultivo dessas espécies .

É o caso, por exemplo, do agricultor Osmar Stopa. Pioneiro do plantio de mirtilo (ou blueberry, como também é conhecido), ele se dedica há 15 anos ao plantio da fruta. Hoje sua produção – estimada em 1,5 mil quilos por safra – é distribuída nos Ceasas da região metropolitana de Curitiba, interior do Paraná, assim como para o litoral de Santa Catarina.

A safra vai de janeiro a novembro, ou seja, o agricultor acabou de fazer a colheita e distribuição do produto. “É uma fruta muito delicada e exige muito cuidado”, observa. Geralmente, Stopa contrata mão de obra na região, preferencialmente mulheres.

Antes de focar parte de seu plantio nas espécies frutíferas, o agricultor plantava grãos e batatas. A decisão pelo cultivo se deu pela necessidade de diversificar sua produção. Em busca de informação, participou de um evento em Fraiburgo (SC), onde foi apresentado à variedade. “Achei bastante interessante. Vi ali uma possibilidade de mercado”, conta.

Na volta do evento, trouxe algumas mudas e experimentou. O clima da região ajudou e hoje, mais de uma década depois de iniciar o plantio, colhe os frutos do investimento.

Por ser exótica, e portanto mais difícil de ser encontrada, o preço do produto no mercado vai às alturas. Na Ceasa, por exemplo, no último dia 08, o preço do quilo estava cotado a R$83,33. Preço para o produtor.

Cultivo

O mirtilo foi introduzido no Brasil em 1983. A espécie trazida foi a Vaccinium ashei, também conhecida como “rabbiteye” (olho-de-coelho, devido à cor vermelha dos frutos imaturos), de menor exigência em frio. As plantas têm entre 1,5 a três metros de altura e gostam de clima temperado. Produz em ramos, em grupamentos de frutos que amadurecem de forma irregular, exigindo várias colheitas seletivas para retirar somente os frutos maduros.

É originária da América do Norte e seus frutos são do tipo baga, de cor azul intensa quando maduro, recoberto de cera, com diâmetro entre 1,5 e 2,5 cm e peso entre 1,5 e 4 g. Possui muitas sementes de pequeno tamanho e polpa de sabor doce-ácido.

O alto teor de pigmentos antocianos (substâncias com poder antioxidante e preventivas de doenças degenerativas), seu sabor único e sua cor inconfundível são fatores que atraem diretamente o consumidor.

Diversificação

Mas Stopa não produz somente o mirtilo. As outras frutas do pomar do agricultor são pêra e maçã, sendo a pêra o produto com a maior área cultivada. Ao todo, são colhidos cerca de 80 toneladas da fruta por safra. De maçã, o agricultor colhe cerca de 25 toneladas. Para o próximo ano ele espera colher em torno de 70 toneladas do produto, já que investiu na produção e aumentou a área de plantio. O total de área de cultivo de frutas do agricultor é de 20 hectares.

Os frutos podem ser utilizados para consumo “in natura” ou na forma de geleias, suco, fruta congelada, iogurte, polpa e licor. O mirtilo tem sua popularidade e interesse pelos consumidores associados às propriedades funcionais da fruta, que a tornaram conhecida como “fruta da longevidade”.

O alto teor de pigmentos antocianos, substâncias com poder antioxidante e preventivas de doenças degenerativas, seu sabor único e sua cor inconfundível são fatores que atraem diretamente o consumidor.

Mercado

De acordo com o Sebrae, o baixo volume de produção no país limita o mercado ao fruto fresco, inclusive para exportação. É que o potencial industrial ainda não é explorado. Alguns fatores importantes dificultam a expansão do plantio no Brasil.

Destacam-se o desconhecimento da cultura e de suas práticas por técnicos e produtores, exigindo a habilitação prévia destes para que as áreas de produção sejam econômicas.

Sendo assim, boa parte da produção acaba se destinando para a produção de geléias e os frutos costumam ser vendidos congelados nos supermercados.

Suas propriedades ajudam a melhorar bastante a saúde, sendo capazes de prevenir o aparecimento de doenças cardiovasculares, proteger o fígado e atrasar o envelhecimento, especialmente a deterioração da memória e da cognição.

Benefícios

Esta pequena fruta de coloração azulada, possui ainda poucas calorias, podendo, ser incluída nas dietas para emagrecimento, ficando deliciosa também na forma de suco, ou ser usada como suplemento nutricional em pó para adicionar em vitaminas, por exemplo.

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

Se essa rua fosse minha

EDIÇÃO ESPECIAL DE ANIVERSÁRIO – 132 ANOS Sem o nome e o número de uma rua, seria impossível localizar um endereço em qualquer cidade do

Compartilhe

Share on twitter
Share on facebook
Share on telegram
Share on whatsapp