Construtores de um novo tempo

.
Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

A questão a respeito do fim do mundo, sempre esteve presente em todos os tempos. Sobretudo, diante de situações difíceis, adversas, ou então, guerras, parece que a situação toma uma dimensão bem mais conflitante, de medo, gerando em muitos até um certo pânico. Isso tudo já ocorreu no início do cristianismo, especialmente por conta da expetativa da volta eminente de Jesus. Muitos inclusive deixavam de trabalhar, de comer, como se o fim do mundo estivesse chegando. São Paulo vai chamar a atenção desses fanáticos, admoestando-os a voltar à realidade, e, deixar de lado essas fantasias e elucubrações totalmente fora de contexto.
Vivemos hoje um tempo difícil, de guerra entre países, de tensão entre as pessoas, por suas posições diferentes e até contraditórias. Existe um clima tenso no ar, onde pensar diferente, pode ser considerado como um confronto, levando pessoas próximas a desavenças, brigas e até rupturas. Para muitos, talvez, toda essa realidade pode levar a um medo tão grande, como se o fim do mundo estivesse muito próximo e imediato. Para esses, Jesus garante que ninguém sabe nada sobre o final dos tempos, a não ser, Deus. Tanto Jesus como Paulo, tem uma enorme preocupação com as pessoas para que não criem expectativas falsas, deixando de viver o dia a dia.
Jesus fala sobre o fim de um tempo, ou seja, da injustiça, da mentira, da inveja, da corrupção, e, não do fim do mundo. A vinda de Jesus trouxe vida nova, esperança que as coisas podem ser diferentes. A sua vinda trouxe um novo jeito de ser e de viver, onde o amor está acima de tudo. Revelou através do seu jeito de se relacionar com as pessoas, o que significa vivermos como irmãos uns dos outros, edificando assim o Reino de Deus entre os homens. É desse final que o Mestre fala, quando usa algumas imagens cósmicas, como se tudo estivesse sendo destruído. Sim, está em destruição o reino do mal, da discórdia, porque Jesus, o Mestre, veio trazer o Reino de paz, de amor, de compreensão, de fraternidade, de um convívio sereno e pacífico entre os homens.
Hoje, diante de uma realidade tão desigual, cheia de ódio e mentira, somos chamados a sermos instrumentos do amor de Jesus. Acreditar num mundo onde sejamos todos irmãos, derrubando as barreiras que nos afastam uns dos outros. Acreditar que, apesar de tudo, o amor vencerá e a luz será mais forte do que as trevas. Vamos contrariar aqueles que dizem que está tudo perdido, como se não tivéssemos mais nada para fazer. Cada um pode fazer a diferença, espalhando a paz e o amor. Derrubar aquele conceito de tragédia, de impotência e de resignação diante da realidade complicada e nefasta. Podemos mudar sim, essa é a verdade.
Diariamente somos chamados a sermos os defensores de um mundo melhor e da vida plena pregada por Jesus, onde o amor vencerá o ódio e indiferença; a paz irá prosperar sobre a guerra; a intolerância e a vingança, darão lugar à fraternidade; a verdade será maior do que a mentira e a luz brilhará no meio das trevas. Cada um de nós, homens e mulheres do bem, podemos fazer a diferença. Acreditar num novo tempo, significa colocar o melhor de nós mesmos, em prol da vida, da esperança e de um mundo de irmãos. Somos chamados a sermos os construtores de um novo tempo.

Compartilhar
PUBLICIDADE