Pesquisar
Close this search box.

CRAM ganha sede própria para atendimento as mulheres vítimas de violência

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

A nova sede do Centro de Referência e Atendimento à Mulher em Situação de Violência (CRAM), localizada ao lado da Secretaria Municipal de Educação, já está bem visível no centro de Araucária e ainda neste mês de março deverá ser entregue à população. Pela primeira vez o CRAM, que iniciou suas atividades no município em fevereiro de 2018, contará com uma estrutura própria de atendimento a mulheres que estejam vivenciando situações de violência doméstica, seja física, psicológica, patrimonial e sexual, tipificadas na Lei Maria da Penha. “É um equipamento público de extrema relevância para a garantia dos direitos das mulheres e grande articulador das políticas públicas de atendimento e prevenção a situação de violência doméstica. Uma grande conquista para as mulheres”, destaca Simone Vicenti, coordenadora do CRAM.

Com 600m², o novo prédio está localizado na rua Lourenço Jasiocha e recebeu um investimento de cerca de R$ 1,9 milhão, sendo aproximadamente R$ 1,4 milhão de recursos provenientes do Poder Judiciário, previamente destinado para este fim, o restante será a contrapartida da Prefeitura de Araucária. O CRAM contará com salas de atendimento, recepção, espaço para a equipe da Patrulha Maria da Penha, uma sala para atendimento jurídico que funcionará em parceria com a OAB e as faculdades FACEAR e FANEESP, salas de reunião, refeitório e espaço adequado para as crianças durante o período de atendimento das mães.

Atribuições

O CRAM, órgão vinculado à Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS), realiza atendimento psicossocial à mulher em situação de violência, bem como posterior acompanhamento dos casos, faz os devidos encaminhamentos quando há a necessidade de acolhimento, além dos direcionamentos pertinentes para registro de Boletim de Ocorrência e solicitações de medidas protetivas. É importante salientar que o Centro atende e acompanha a mulher e a família que esteja em risco, através de uma equipe composta por psicólogas, assistentes sociais, educador social e estagiários de Psicologia e Serviço Social.

De acordo com a Secretaria de Assistência Social, a equipe que atuará na nova sede também foi ampliada, considerando a ampla estrutura.

Foto de: Raquel Kriguer Paiva.

Edição nº.1353