Pesquisar
Close this search box.

Cultura do cuidado: 5 benefícios para jovens, crianças e familiares

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Você já ouviu falar de Cultura do Cuidado? O conceito estimula a sociedade a construir relações afetivas e tomar decisões conscientes. O objetivo é superar a cultura da indiferença e do conflito e assim construir um caminho para a cultura de paz.

De acordo com a gerente de Total Care do Grupo Marista, Marilusa Rossari. “Cuidar implica aprender a cuidar de si e do outro, considerando diferentes culturas, saberes, ideias e necessidades”. Assim, a Cultura do Cuidado significa reconhecer o ponto de vista de quem cuida do outro, respeitar a liberdade de escolha, regras e valores de uma sociedade.

Por mais que seja um termo relativamente novo, é uma prática diretamente relacionada às competências socioemocionais. Afinal, é por meio delas que se adquire atitudes e habilidades necessárias para respeitar diferenças e agir para o bem comum. Para a coordenadora do Ensino Médio do Colégio Marista Sagrado Coração de Jesus, Rosangela Dambroski dos Santos, isso significa compreender e gerenciar emoções, administrar as situações do cotidiano, criar bons relacionamentos e tomar decisões de maneira responsável. Isso se aplica também na educação, já que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) conta com o desenvolvimento das competências socioemocionais além das competências técnicas.

Confira 5 benefícios da Cultura do Cuidado para o desenvolvimento das crianças e adolescentes:

Possibilita ampliar e potencializar a discussão acerca de temas que permeiam o desenvolvimento integral dos estudantes

Cria espaços de escuta e de diálogo entre crianças e jovens

Exercita a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e promovendo o respeito ao outro

Promove acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza.

Incentiva a construção de conteúdos, a formação de docentes e diálogo com as famílias