Pesquisar
Close this search box.

Editorial: Parabéns é legal, mas respeito é essencial!

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Estamos em março! Estamos na semana do dia 8 de março e, como não poderia deixar de ser, nossas redes sociais, as campanhas publicitárias, os grupos da família, as repartições públicas, os setores das mais diversas empresas ficam todos decorados e mensagens de felicitações pelo Dia da Mulher pipocam aqui e ali. Botões de rosa são distribuídos. Um chocolate aqui e outro ali é entregue e temos a impressão de que vivemos numa sociedade que realmente valoriza e respeita a mulher.

A verdade, porém, não é bem essa. Ainda estamos engatinhando quando o assunto é igualdade de direitos entre homens e mulheres. E, sem querer estragar o momento de felicitações, não podemos esquecer disto. Todas as felicitações pela passagem do Dia da Mulher são bem-vindas. Todos os chocolates recebidos serão comidos. Todas as mensagens ganharão reações de “amei”, “curti”, entre tantas outras. Mas não podemos jamais esquecer que as mulheres de Araucária, do Paraná, do Brasil e do mundo precisam mesmo é serem respeitadas!

Ainda vivemos em tempos desiguais. Vivemos tempos de grandes violações de direitos praticados contra as mulheres simplesmente em razão dessa condição: serem mulheres. O Popular, semanalmente, divulga vários casos de violência doméstica. Anualmente temos casos de feminicídio em nossa cidade. São mães de família sendo agredidas e mortas por terem escolhido se divorciar, por não aceitarem a submissão de uma relação tóxica, por exemplo.

Da mesma forma, os casos de importunação sexual e as que derivam disso são recorrentes em nossa Araucária, principalmente no transporte coletivo. E, o pior, não estamos falando de casos praticados por homens de gerações mais antigas, que viveram em tempos que a igualdade de direitos não estava tão em voga. Não são raros os casos de adolescentes e adultos jovens que seguem entendendo a mulher como um ser inferior, que pode ser agredida por ser biologicamente mais frágil fisicamente. Isto tem que acabar!

E precisamos “começar a acabar” com isso o quanto antes, já que não estamos falando de algo que resolveremos com uma canetada, com uma lei, com uma ordem. Estamos falando de uma mudança de mentalidade, de uma mudança estrutural na forma como educamos nossas crianças e punimos nossos adultos transgressores.

Celebremos então o Dia da Mulher! Aproveitemos o mês de março para parabenizar as amigas, companheiras, mães, enfim, todas as mulheres! Mas aproveitemos também para ressignificar essa data! Mais importante do que uma flor, um chocolate, uma mensagem bonitinha é o respeito diário a todas elas!

Pense nisso e boa leitura!

Edição nº.1353