Pesquisar
Close this search box.

Estudantes do Colégio Bom Jesus São Vicente de Araucária são premiados em feira de iniciação científica  

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Cerca de 300 trabalhos de iniciação científica de estudantes do Colégio Bom Jesus foram expostos nas Feiras de Iniciação Científica do Ensino Fundamental (5ª Ficef) e Médio (9ª Ficem) nos dias 8 e 9 de novembro. As feiras aconteceram no Colégio Bom Jesus Centro, em Curitiba, com exposição de projetos desenvolvidos por alunos de 35 unidades do Grupo Bom Jesus localizadas em cinco estados brasileiros.

Os trabalhos envolveram as categorias Educação, Engenharia, Sociedade, Terra e Vida, com participação de alunos de unidades do Bom Jesus no Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo. As apresentações ocorreram de forma online e presencialmente e os projetos mais votados (1º ao 3º lugar) receberam certificados com chancelas da Renault do Brasil e do Sebrae.

A unidade do Bom Jesus São Vicente, de Araucária, participou com projetos do ensino fundamental e médio. O trabalho “Uso de biodigestor caseiro para obtenção de biogás”, dos estudantes do 8º ano Henrique Augusto Jankowski Betim Moreira e Jose Odair Riba, ambos de 13 anos, foi premiado na Ficef, ficou em 3º lugar na categoria Engenharias. Segundo eles, o objetivo do projeto é beneficiar pessoas de baixa renda que não tem acesso à energia elétrica. “Diante dessa realidade, pensamos em criar um gerador de energia que fosse fácil de ser feito com materiais recicláveis e de fonte renovável. Com base em nossas pesquisas chegamos a conclusão que a energia de biomassa era a mais viável. Então construímos um Biodigestor que transforma matéria orgânica em energia elétrica por meio de sua decomposição e que ainda pode ser utilizado como gás de cozinha. Porém, ainda não conseguimos fazê-lo funcionar porque não terminamos nossos testes para ver que tipo de matéria orgânica será utilizada, mas pretendemos continuar com nosso projeto e fazer com que todos tenham acesso à energia elétrica”, disse Henrique.

O estudante, que trabalha em cima deste projeto desde o ano passado, quando começou na Iniciação Científica, salienta que foi uma emoção muito grande receber a terceira colocação na Feira, em sua primeira participação. “Havia muitos trabalhos excelentes, foi uma experiência incrível poder fazer parte deste evento”. No ano passado ele não conseguiu concluir o projeto, porque quando chegou o momento de desenvolver a parte teórica da pesquisa, com embasamento técnico, ele não tinha maturidade suficiente. Jose, por sua vez, embarcou na ideia do colega este ano, quando começou na Iniciação Científica e foi então que os dois juntos decidiram retomar e concluir o trabalho.

Apesar de ainda estar em andamento, o trabalho foi avaliado na Ficen com base na qualidade da pesquisa e pelo potencial que a mesma demonstra no sentido de melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Demais premiados

O trabalho dos alunos Henrique e José foi o único representante do ensino fundamental do Bom Jesus Araucária, porém no ensino médio, três trabalhos foram apresentados na 9ª Ficef presencial e outros três na feira online. Na presencial, o trabalho “O uso da tecnologia na melhoria da qualidade de vida de diabéticos”, dos estudantes João Victor Leal Gonçalves e Lucas Persegona, ficou em 1º lugar na Categoria Vida e também ganhou o prêmio de Empreendedorismo. Também concorreram os trabalhos “Fatores que influenciam na pouca presença de mulher no ramo das ciências exatas e naturais e as tendências atuais”, da aluna Mariana Wonsowicz, na Categoria Sociedade; e “Democratização das oportunidades dos estudantes de conseguirem bolsas de estudo nos Estados Unidos”, dos estudantes Isabelly Monique Cotovicz, Jackelyne Ferreira Paredes e Khiuany Bueno Desplanches, na Categoria Educação.

Na Ficef online concorreram os trabalhos “As ondas eletromagnéticas em nosso cotidiano”, dos alunos Lucas Silva de Oliveira e Pedro Henrique Kosiba, na Categoria Engenharias; “Carregador Solar Portáil”, da estudante Bianca Vitória Pittol Poleto, na categoria Terra; e “Inteligência artificial como ferramenta de apoio ao tratamento oncológico”, da estudante Anna Luiza Bosch Ribas, na categoria Vida.

Edição n.º 1389