Evandro Leão: Xô, Inveja!

Foto: Divulgação
Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Quem nunca temeu o “olho gordo”, aquele olhar sorrateiro sobre uma conquista pessoal sua, aquisição de um bem, planos ou até mesmo sobre seu modo de ser? Esse olhar faminto pelo seu sucesso pode ter engolido a seco sua pimenteira, pezinho de arruda ou até sua energia emocional. Hoje, falaremos sobre a inveja.

Silenciosa, por vezes cortês, acompanhada de elogios ou muitos olhares, a inveja é um sentimento consciente ou inconsciente que pode se desenvolver na maioria das pessoas. É uma sensação de incapacidade ou ressentimento pelo que o outro tem ou representa. Vai além de ser fã e admirar alguém, ou tê-la como exemplo a ser seguido. É sentir desconforto ou medo de onde ela pode chegar.

E como a inveja nos atinge? Nossos sentimentos são poderosos meios de conduzir nossa energia no universo, criando ao nosso redor mais daquilo que vibramos, seja alegria, generosidade, medo ou raiva. A inveja associa-se aos sentimentos, gerando uma energia negativa que se projeta de forma danosa sobre seu alvo.

Já ouviu falar do “quebranto”, que acomete tanto adultos quanto os sensíveis bebês? Pois bem, é um sinônimo da inveja, já ligado a algum sintoma dela: insônia, cansaço constante, choro excessivo, sensação de falta de sorte (detalhe, desde que sem causa médica diagnosticada).

E como posso me esquivar da inveja? Para se proteger dessa vibração danosa, pequenos ajustes já podem trazer grandes resultados:

  1. Mantenha uma rotina de manutenção dos pensamentos e sentimentos (preces, orações, terapia…).
  2. Silêncio. Às vezes, manter planos e conquistas mais para si e para seus círculos íntimos é uma forma de se preservar (ninguém cobiça o que não vê ou ouve).
  3. Insira plantas em seu convívio. Elas atuam como catalisadoras de energias densas e limpam o ambiente (quando uma se secar “sem causa”, agradeça e substitua por outra).
  4. Pise na terra com pés descalços. Nossos pés têm importantes centros de energia que aterram a negatividade em contato com o solo.
  5. Banhos amorosos nos bebês. Faça um banho aromático com óleo essencial de lavanda na água e, durante o momento, expresse muito amor e afirmações positivas sobre a criança. Terá uma importante ação de limpeza energética e fortalecimento de laços afetivos, dentre outras dicas.

Reconhecer-nos como seres sagrados, energéticos e sensíveis é a melhor forma de humanizar Deus em nós. Por meio deste valioso saber, podemos nos tornar mais resistentes a qualquer vibração negativa, cultivando bons sentimentos. Gostou deste conteúdo? Visite meu Instagram @tarodafortuna e escreva pra mim: Xô, Inveja! Gratidão.

Edição n.º 1401

Compartilhar
PUBLICIDADE