Pesquisar
Close this search box.

Novo TRIAR começa a operar na próxima segunda-feira, 26 de julho

Ônibus novos da Imperial que serão utilizados no lote Norte-Sul já estão prontos e começam a chegar a Araucária nesta sexta-feira, 23 de julho. Foto: divulgação
Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Novo TRIAR começa a operar na próxima segunda-feira, 26 de julho
Ônibus novos da Imperial que serão utilizados no lote Norte-Sul já estão prontos e começam a chegar a Araucária nesta sexta-feira, 23 de julho. Foto: divulgação

Os usuários do transporte coletivo de Araucária, o TRIAR, precisam ficar atentos às mudanças que o sistema sofrerá a partir da próxima segunda-feira, 26 de julho. Isto porque é nesta data que todas as linhas alimentadoras da cidade começam a ser operadas por novas empresas.

Realizada em abril passado, a licitação de concessão do TRIAR para os próximos dez anos foi disputada por seis empresas, sendo que três delas venceram cada um dos três lotes em disputa. Porém, embora estivesse participando da concorrência, nenhum desses lotes teve como vencedora a Viação Tindiquera, atual concessionária.

Os três lotes estavam divididos em Norte, Sul e Norte-Sul. O lote Norte foi vencido pela Silva e Santos, que atua com o nome fantasia de Sharp Turismo. A empresa tem sede em Fazenda Rio Grande e é um desdobramento da antiga Pluma. Já o lote Sul teve como vencedora a Francovig. Localizada em São José dos Pinhais, o grupo já atua com transporte coletivo em outras cidades, como Londrina. Por fim, o lote Norte-Sul teve como vitoriosa a Imperial Transportes, com sede em Belo Horizonte/MG.

As três empresas vencedoras da licitação do transporte coletivo serão remuneradas pela Prefeitura pelo chamado quilômetro rodado. Por essa metodologia, há uma tabela com os custos de vários itens necessários para manter uma frota de ônibus rodando, desde recursos humanos, combustível, desgaste de peças, taxa de administração da empresa, entre outros. É o somatório desses itens que leva ao custo efetivo do quilômetro rodado. Com o preço do quilômetro rodado definido, multiplica-se pela quilometragem que os ônibus rodaram ao longo do mês e a Prefeitura repassa essa quantia à empresa concessionária.

Os preços vencedores foram razoavelmente mais baixos do máximo estipulado pela Secretaria de Planejamento. O lote Norte, por exemplo, teve o quilômetro rodado fixado em R$ 7,48 e foi arrematado pela Sharp Turismo por R$ 6,76. O lote Sul tinha como valor de teto R$ 6,97 e a Francovig venceu com o preço de R$ 6,27. Já o lote Norte-Sul tinha como preço máximo R$ 7,85 e a Imperial venceu oferecendo R$ 6,81.

Os valores oferecidos pelas empresas vencedoras do certame representam uma redução mensal considerável no custeio do transporte coletivo municipal. Isto porque, atualmente, a Viação Tindiquera está recebendo R$ 7,48 por quilômetro rodado, sendo que a média dos três lotes licitados agora ficou na casa de R$ 6,61. Essa diferença média de 87 centavos no custo do quilômetro rodado resulta numa economia mensal de R$ 450 mil, ou quase R$ 5,5 milhões por ano. Como o valor mensal do quilômetro rodado varia de acordo com o preço do insumo apurado no mês, essa economia pode ser ainda muito superior, sempre quando comparado ao que vinha sendo pago à Viação Tindiquera.

Texto: Waldiclei Barboza

Publicado na edição 1271 – 22/07/2021