Padre André Marmilicz: As tentações no deserto

Foto: Divulgação.
Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Quando estive a segunda vez na Terra Santa, antes de chegarmos em Jerusalém, num lugar bem alto, o motorista parou o ônibus e todos nós descemos. Ficamos de frente a um grande deserto e o nosso guia então nos falou com entusiasmo que foi ali, naquele local que Jesus foi tentado no deserto. Todos ficaram bastante emocionados por conhecer o local das tentações. Claro que eu fiquei, como se diz na gíria, ‘com uma pulga atrás da orelha’. Os 40 dias no deserto simbolizam na verdade a vida toda de Jesus, onde por diversas vezes ele foi tentado. E o deserto é a sua vida, sempre cheia de provas. Até o último instante ele foi tentado a desistir da cruz, mas, venceu dizendo: ‘que se faça a vontade de Deus e não a minha’. As tentações em si são normais, mas, Jesus não permitiu que elas o dominassem e saiu vencedor. Assim como ele, nós também somos tentados no cotidiano de nossa vida e, cheios do Espírito de Jesus, poderemos sair vencedores. Quais foram as tentações de Jesus ao longo de sua vida?

A primeira tentação do demônio: ‘se és Filho de Deus, transforma as pedras em pães’. E Jesus vai responder: ‘não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus’. Essa é uma tentação que acompanha o ser humano ao longo de toda a sua vida, ou seja, a ganância pelo ter. É transformar toda a sua vida numa busca desenfreada pelas coisas mundanas, deixando de lado aquilo que é de Deus, Claro que os bens materiais são necessários para uma vida digna para todos. O problema é quando se tornam o centro, a razão de tudo, a ponto de muitos acharem que valem por aquilo que tem. Essas pessoas se tornam então egoístas, pensando somente naquilo que lhes dá lucro e conforto. Esquecem dos demais, incapazes de partilhar, de ajudar, de ser solidário. Essa é uma tentação que precisa ser vencida com a partilha, com a solidariedade, prontos para ajudar os mais necessitados.

A segunda tentação é bastante estranha e até esquisita, pois, o demônio levou Jesus até o pináculo do templo e lhe disse: se és filho de Deus, lança-te daqui para baixo e os anjos virão ao teu encontro e te protegerão. É como se Jesus tivesse que testar o amor de Deus para com ele, através de um milagre espetacular. Imagina só Jesus se jogando do alto e os anjos vindo ao seu encontro para agarrá-lo no ar, evitando que caísse no chão e se espatifasse por inteiro. Seria algo extraordinário! Essa é a tentação daqueles que exigem coisas extraordinárias de Deus, milagres bombásticos, do contrário, não acreditam em Deus. Mas Deus não precisa dar provas do seu amor, pois, diariamente Ele nos mostra o quanto Ele nos ama. O fato de estarmos vivos já é um sinal maravilhoso do quanto ele nos quer bem como suas criaturas. Se estivéssemos atentos, perceberíamos quantos pequenos sinais diários são a prova do seu amor imenso.

E a terceira tentação diabólica é a sede desenfreada do poder. O demônio promete a Jesus, se ele o adorar, que lhe dará tudo para que ele governe, domine e mande. Lhe dará o poder sobre todas as coisas e sobre todas as pessoas. Jesus então o manda embora dizendo: sai daqui. Adorarás somente ao Senhor teu Deus. Essa tentação está dentro de cada um de nós. A sede de mandar, dominar, ter poder sobre os outros. Para vencê-la, precisamos aprender a grande lição do serviço alegre e espontâneo. Somente ele realiza o ser humano, pois, existe muito mais alegria em dar do que receber.

Edição n.º 1402

Compartilhar
PUBLICIDADE