Procon orienta consumidores para compra segura de material escolar

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Com a volta às aulas se aproximando, é hora de pensar nas compras do material escolar dos filhos. Por isso, nada melhor do que definir algumas estratégias para economizar e também seguir as dicas do Procon Araucária. A primeira delas é ficar atento às listas solicitadas pelos colégios. Os particulares, por exemplo, devem fornecer alguns materiais e a compra já está inclusa na mensalidade, não podendo ser pedidos à parte para os consumidores.

“Os colégios não podem solicitar aos pais materiais que fazem parte da manutenção e estrutura do colégio, como materiais de consumo, de higiene, de limpeza, de construção. Caso um desses materiais sirva para uso pessoal do aluno, a exemplo de escova de dentes ou álcool em gel, a escola pode pedir, mas não em grande quantidade, pois dessa forma presume-se o uso coletivo, sendo assim de responsabilidade da própria escola adquirir”, orienta Sâmara Arruda, diretora geral do Procon Araucária.

Ainda de acordo com o órgão, é importante o consumidor analisar se o material solicitado tem fins pedagógicos, caso não tenha e não for de uso pessoal do aluno, a escola não pode pedir. O pedido de materiais, mesmo que pedagógicos, em excesso, como por exemplo várias caixas de lápis ou canetas, também deve despertar atenção dos consumidores. “Como os materiais pedidos somente podem ter finalidade pedagógica e de caráter individual, os pais também podem combinar com a escola que sejam enviados conforme a necessidade, não precisando comprar tudo de uma vez só”, elucida Sâmara.

Pesquisa de preços

Segundo o Procon, é conduta abusiva por parte da escola exigir marca do material e local a ser adquirido, e isso também vale para uniformes. A escola pode recomendar, porém nunca obrigar o consumidor a adquirir daquela determinada marca ou naquele local. O que a escola pode é elaborar um padrão de como deve ser o uniforme, com tamanho da logomarca, cores, tecido e deixar a disposição dos responsáveis para que eles mandem fazer no local de sua preferência.

Outra dica muito importante é não dispensar a pesquisa de preços, pois como o mercado está aquecido para a volta as aulas, a variação entre os comércios pode ser grande. “O Procon recomenda a utilização do Menor Preço, um aplicativo público do Governo do Estado do Paraná. O consumidor pode, inclusive, escanear o código de barras pelo celular no aplicativo e visualizar os preços daquele produto nos locais mais próximos a ele, praticamente em tempo real. Estar atento as condições de parcelamento também é importante, o consumidor deve verificar se o parcelamento em mais vezes acarreta juros e se existe desconto a vista, que pode ser bem interessante”, sugere a diretora.

Para o Procon é importante destacar que produtos adquiridos fora do estabelecimento comercial tem direito de troca em até 7 dias após o recebimento, então, a compra de material escolar via internet pode ser uma boa pedida, até mesmo para pesquisar e retirar na loja física. “A troca de produtos adquiridos no estabelecimento comercial depende da política interna de cada empresa, importante se informar antes de comprar”, orienta o órgão de defesa do consumidor.

Reclamações

O consumidor que tiver dúvidas sobre a compra de material escolar poderá entrar em contato diretamente com o Procon, localizado na Rodovia do Xisto, 5.815 – bairro Sabiá. Os fones de contatos são: (41) 3614-1786 e 0800 643 2834. 

Compartilhar
PUBLICIDADE