Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Alunos e professores do Grupo Escolar Dias da Rocha logo após a inauguração em 1938. Todos os alunos encontram-se na fotografia devidamente uniformizados, porém a carência da maioria da população revela-se nos pés descalços das crianças.
Acervo Arquivo Histórico Archelau de Almeida Torres

 

Em meio a constante precariedade sofrida pelo ensino público desde meados do século XIX, apenas a partir da década de 1910 é que o governo começou a investir na construção do primeiro prédio em alvenaria para um grupo escolar em Araucária. O prédio ficou pronto em 1914, quando deixou de denominar-se Escola Isolada Claudino dos Santos e passou a denominar-se Grupo Escolar Dias da Rocha. Este antigo prédio ainda localiza-se na Rua Major Sezino Pereira de Souza e, além de abrigar o antigo Grupo Escolar, já foi sede do Fórum. Desde 2008 sedia o atual CEEBJA (Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos).

Na década de 1930, quando Araucária contava com uma população de aproximadamente 10.000 habitantes, surge imponente na paisagem da cidade o novo prédio construído especialmente para abrigar o já estabelecido Grupo Escolar Dias da Rocha, que havia aumentado sua demanda por matrículas. A nova construção era padronizada e composta por quatro salas de aula, almoxarifado, sala de professores, gabinete para a direção, secretaria e duas instalações sanitárias, fazendo cumprir o esforço da política estatal (Era Vargas/1937-1945) pela construção de mais escolas.

Entre alguns documentos oficiais de nosso acervo que dão testemunho sobre os primeiros tempos de funcionamento desta instituição, encontramos vários livros de registro, de 1938 a 1960. São documentos extremamente ricos que nos possibilitam inúmeros reencontros com o passado do ensino público em nosso município.

Revisitando o conteúdo desses documentos, é possível perceber que nas primeiras décadas de seu funcionamento o Grupo Escolar Dias da Rocha fez parte de um contexto nacional, de quando o ensino assumiu um caráter autoritário e controlador em nome de um projeto centralizador, marcado pelo nacionalismo e patriotismo exacerbado.

Para além dos inúmeros avisos que remetem as comemorações cívicas, outros textos nos revelam o teor dos itens observados pelos Delegados de Ensino em visita ao Grupo Escolar Dias da Rocha:

“Em cumprimento as minhas atribuições, visitei hoje este estabelecimento de ensino, sob a direção da normalista Egipciana S. Carrano. A matrícula é de 66 alunos e a presença de 44.

Com a exceção da matrícula, que não agrada por atendimento, tudo o que me foi dado explicações, quer quanto ao trabalho didático, quer quanto a ordem, asseio e disciplina, quer ainda, quanto a escrituração administrativa (…) quer quanto a dedicação, trabalho e esforço das professoras, a Diretora e suas dignas auxiliaries, agrada e satisfaz. (…)

Em 22/9/42
José Bernardo
Delegado de Ensino.

(Transcrito do livro de Termos de visita de autoridades do Grupo Escolar “Dias da Rocha”) . Acervo Arquivo Histórico Archelau de Almeida Torres)

Texto: Cristiane Perretto e Luciane Czelusniak Obrzut Ono

Publicado na edição 1144 – 20/12/18

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM

A fé e os seus feitos

Você acredita em milagres? Você tem fé? A fé e a crença em milagres também

Os bailes do limpa banco

“No baile do limpa banco iéu quis dançar um xote, Invocados deu sinal e iéu

Guajuvira em chamas

O Distrito de Guajuvira, criado em 1947, tem seu nome inspirado na grande quantidade da

Dos tempos do pixirum

O ano é 1919, estamos na área rural de Araucária. A paisagem é formada por