Terezinha Poly: A entrada para o Centro de Araucária próximo ao Trevo do Seminário

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Na década de 90, Araucária já apresentava diversas mudanças que ocorreram desde o final dos anos 70, quando ocorreu o grande salto de progresso com a implantação das diversas indústrias que se instalaram a partir da inauguração da Refinaria da Petrobras, fazendo com que nossa cidade aos poucos perdesse o título de cidade agrícola, passando rapidamente para uma cidade industrializada, muitas destas mudanças já podiam serem vistas na entrada da Rodovia do Xisto para o centro da cidade no Trevo do Seminário que até então tinha poucas casas construídas e chácaras, mas as mudanças ocorreram de maneira tão natural que nos anos 90, como mostra está vista aérea, já havia muitas casas construídas, ruas asfaltadas, comércio em crescimento.

Aqui podemos destacar algumas ruas que tão bem conhecemos. À direita a Rua Dr. Victor do Amaral com algumas árvores e poucos prédios que hoje dominam todo o espaço descampado aqui visto, o trânsito ainda era bem calmo, quase não se vê veículos em movimento, e os poucos que aparecem estão estacionados em frente a estabelecimentos comerciais na principal avenida que possuía mão dupla. O lado esquerdo da Dr. Victor do Amaral teve muito mais transformações do lado direito. A começar pelo terreno da esquina onde uma grande horta faz a frente da casa da Família Bório, que residia na casa branca que aparece no fundo. Atualmente esse espaço (casa e horta) pertence à Loja Raksa Materiais de Construção, e faz frente para a Rua Vereador Abilio Fruet onde está um caminhão e do outro lado as calçadas da Praça do Seminário. Mas, ainda falando da Rua Dr. Victor do Amaral, à direita, a primeira ampliação da Loja Raksa de Materiais de Construção, já em atividade, ao lado da primeira loja onde Osvaldo Raksa (in memorian) manteve para lembrar como tudo começou, todo lado dessa quadra é ocupado por esse comércio, desde as lojas até o pátio de materiais, terminando na Travessa Tupinambá.

Na quadra seguinte as primeiras construções permanecem e seguem até o barracão que aparece à direita. O barracão era de propriedade da Família Torres, mas, o tempo que ele foi mais popular foi quando o Sr. Leonardo Paulino dos Santos, ou como muitos o conheciam na cidade como: Baiano ou Tintureiro, nos fundos a Serraria do Belniok, atualmente neste lugar está construído o Hotel Rihad de propriedade de Hissan H. Dehaini, ao lado a Rua Manoel Ribas segue até a Rua São Vicente de Paulo, essa rua é longa e aqui onde aparece à esquerda é visto apenas um trecho que passa ao lado do terreno do Seminário Menor São Vicente de Paulo (ainda com esse título antes de se chamar Bom Jesus).

Essa é apenas uma das grandes diferenças que vemos em Araucária nos últimos 30 anos. Mesmo com tantas mudanças essas quadras já passaram por muitas outras que podemos ver no dia a dia. Para aqueles araucarienses que viram essa cidade há décadas atrás, e olham para os mesmos lugares atualmente podem ver o quanto nossa cidade cresceu e modificou, mas nunca deixou de ser uma cidade de raízes na lavoura e ainda preza pela sua tranquilidade.

Edição n.º 1391

Compartilhar
PUBLICIDADE