Um convite a vida e não uma sentença de morte!

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

O diagnóstico positivo de câncer é, sem dúvida, uma notícia que assusta. Embora o tratamento das neoplasias tenha evoluído consideravelmente ao longo dos últimos anos, com drogas e terapias com menos efeitos colaterais sendo disponibilizadas aos pacientes, ouvir de um médico que “sim, é câncer”; “sim, é maligno”, deixa a pessoa sem chão.


O susto inicial, no entanto, precisa ser transformado rapidamente em força para superar essa situação. Foi-se o tempo que o câncer era uma sentença de morte, sendo que – quanto antes tivermos o diagnóstico – quase inesgotáveis são as chances de cura. Justamente por isso, campanhas como o Outubro Rosa e o Novembro Azul são vitais para que consigamos identificar um carocinho aqui, uma manchinha ali, uma dorzinha acolá e outros sinais de que algo não está bem em nosso corpo.


Nesta edição de O Popular trazemos algumas histórias de mulheres que venceram o câncer e que hoje são inspiração para outras pessoas de que, por mais difícil que pareça, é sim possível vencer a doença.
E, em conversas com essas personagens, todas relatam a importância da rede de apoio no enfrentamento à doença. Ninguém com um diagnóstico de câncer precisa de amigos e familiares pessimistas, com aquele olhar de quem está encarando alguém sentenciado à morte. O portador de algum tipo de neoplasia maligna precisa é de incentivo para encarar a doença. Precisa é de palavras positivas. Precisa é de boas risadas. Enfim, precisa de apoio! Muito apoio!


Logo, se você está com um diagnóstico positivo de câncer, receba da gente aqui do O Popular uma mensagem de força: você irá superar isso! Nós estamos aqui torcendo por você! Nós estamos aqui te mandando boas energias. Você é uma pessoa linda e te queremos aqui lendo muitos de nossos editoriais. Queremos contar a tua história de vitória! Queremos você bem!


Boa leitura!

Um convite a vida e não uma sentença de morte!

Publicado na edição 1333 – 13/10/2022

Compartilhar
PUBLICIDADE