3 trechos de rodovias que cortam Araucária incluídas no novo pedágio

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Se tudo ocorrer conforme o planejado, deve ser publicado até 16 de maio o edital com os dois primeiros lotes de concessão do novo pedágio. Três de rodovias que cortam Araucária estão contempladas. O leilão que definirá quem fica com a concessão deve ocorrer nos dias 24 de agosto e 16 de setembro, na Bolsa de Valores.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior assinou nesta quarta-feira, 3 de maio, em Brasília, em encontro com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro dos Transportes, Renan Filho, o documento que delega as rodovias estaduais do Paraná ao governo federal para a realização da nova concessão à iniciativa privada.

O lote que inclui as rodovias que cortam Araucária é o 1 e contempla a ligação entre Curitiba e Araucária (BR-476), a ligação entre Araucária e Campo Largo (PR-423) e entre Araucária e a Lapa (BR-476). Entre as obras previstas para o Lote 1 estão a duplicação da Rodovia do Xisto, entre Araucária e a Lapa; e a duplicação da PR-423 entre Araucária e Campo Largo.

O documento assinado por Ratinho Jr. permite à União incluir cerca de 1,1 mil quilômetros de trechos de rodovias estaduais no pacote a ser leiloado, de um total de 3,3 mil quilômetros que ficarão sob a responsabilidade da iniciativa privada pelos próximos 30 anos. Nos primeiros dois anos, serão realizados serviços de recuperação das rodovias, para que a partir do terceiro ano as obras de duplicação, implantação de novas faixas e outras intervenções comecem efetivamente, somando cerca de R$ 19 bilhões de investimentos nesses lotes e mais de R$ 50 bilhões no projeto todo.

O modelo mantém os três principais pontos defendidos pelo Governo do Paraná, aliando preço justo e disputa pela menor tarifa, garantia de obras e ampla concorrência. A elaboração do programa de concessões foi objeto de um amplo estudo técnico e consulta pública, com milhares de colaborações de usuários, recorde de um processo conduzido pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

“Estamos falando do maior projeto do Brasil e da América Latina. São 3,3 mil quilômetros de concessões, sendo 1,8 mil quilômetros de duplicações. É importante para a infraestrutura do Paraná, que vem se consolidando como central logística pela ligação entre estados do Sul e Sudeste, mas são concessões importantes para o desenvolvimento nacional. O modelo do passado, com altas tarifas e poucas obras, era ruim. Esse modelo que construímos é inovador”, disse o governador.

Segundo o governador, há expectativa de diminuição nas tarifas que vão a leilão de 20% a 30% em relação ao modelo anterior, o que deve ser ampliado em benefício dos usuários com a disputa pelas concessionárias. “A iniciativa viabilizará as obras necessárias para o desenvolvimento socioeconômico do Estado, melhorando as condições de trafegabilidade e segurança dos usuários, consolidando o Paraná como a grande central logística da América do Sul”, afirmou.

Foto: Jonathan Campos/AEN.

Edição n. 1361

Compartilhar
PUBLICIDADE