Irmão Lauro: Quando…

Quando…

Quando eu chegar à plenitude do amor, amar-me-ei o bastante para não mendigar amor alheio.