Compartilhe esta notícia
Análise do veto ao reajuste de vereadores acontecerá  só em fevereiro - notícias da Política  - O Popular do Paraná
Foto: Marco Charneski

Vetado no final do ano passado pelo prefeito Hissam Hussein Dehaini (Cidadania), o projeto de lei de iniciativa da Câmara que concede reajuste superior a 60% aos vereadores só será discutido em plenário após o dia 18 de fevereiro, que é quando recomeçam as sessões ordinárias da Casa.
O veto foi assinado pelo prefeito no dia 18 de dezembro e retornou à Câmara. Lá, os vereadores têm duas opções: mantê-lo ou derrubá-lo. Se a opção for a primeira, os subsídios dos edis a partir de janeiro de 2021 permanece em R$ 5.992,00. Caso o veto seja derrubado, os parlamentares eleitos em outubro próximo passarão a ganhar R$ 9.581,45 por mês.

Conforme estabelece a legislação municipal, para derrubar o veto feito por Hissam são necessários seis votos, independentemente do número de vereadores que comparecerem à sessão plenária no dia da votação.
Atualmente, cinco vereadores já disseram abertamente que são contra o reajuste, razão pela qual devem votar favoráveis ao veto. São eles: Tatiana Nogueira (PSDB), Aparecido Ramos (PDT), Fábio Alceu (PSB), Elias Almeida (Cidadania) e Amanda Nassar.

Os seis que votaram favoráveis ao reajuste, mas que eventualmente podem mudar de posição são Xandão (PSL), Celso Nicácio (PSL), Lucia de Lima (MDB), Claudinho do Açougue (Cidadania), Germaninho (PR) e Fábio Pedroso (PRP).

Reuniões

Instituído no final do ano passado para tentar sensibilizar os vereadores quanto ao fato de a população não enxergar com bons olhos o mega reajuste, o movimento União por Araucária informou que pretende conversar individualmente nos próximos dias com os que votaram pró-aumento, apresentando informações e argumentos para que eles mantenham o veto do Executivo.

O União por Araucária é formado pelo Observatório Social de Araucária (OSA), pela subseção da Ordem dos Advogados do Brasil de Araucária (OAB), pela Associação das Empresas da Cidade Industrial de Araucária (Aeciar), pela Associação dos Contadores de Araucária (ACA), pela Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de Araucária (Aciaa) pela Loja Maçônica Cavaleiros do Iguaçu e pelo Rotary Club.

Texto: Waldiclei Barboza

Foto: arquivo

Publicado na edição 1195 – 16/01/2020

Compartilhe esta notícia
Fechar anúncio