Tribunal do júri condena Kizo e Paraguayo por duplo homicídio

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

O Conselho de Sentença do Tribunal do Júri de Araucária condenou no dia 11 de março, os réus Aleksandro Pereira de Silva e Chrystopher Tavares Nassif Lagner, pelos assassinatos de Renan Alves de Oliveira e Daymon Eduardo Lima de Souza, pela tentativa de homicídio contra Luciana Pereira de Lima de Souza, mãe de Daymon e por receptação de veículos roubados.

Aleksandro, também conhecido como “Paragayo”, pegou 78 anos, 5 meses e 8 dias de reclusão, e Crhrystopher, conhecido por “Kizo”, pegou 53 anos e 4 meses, ambos em regime fechado. A Juíza da Vara Criminal de Araucária negou o direito de eles recorrerem em liberdade. Um terceiro envolvido nos crimes, Kalahan James Lhano Simões, morreu no decorrer do processo.

Relembre os fatos

O crime aconteceu no dia 30 de julho de 2018, devido à uma rixa de gangues na cidade, ambas com envolvimento no tráfico de drogas, conforme apontaram as investigações da polícia. Chrytopher, Kalahan e Alexsandro foram em uma casa na rua Joaquina Tonchak, no Porto das Laranjeiras. Eles chegaram em um VW Gol branco, invadiram a residência e se apresentaram como policiais. Mas o intuito era cometer crimes e estavam fortemente armados para isso. Eles usavam coletes à prova de balas e gorros tipo balaclava.

Os três bateram na porta e foram atendidos por Luciana, que ao abrir a porta, foi baleada no tórax e no braço. Seu filho, Daymon, também foi baleado, mas ainda assim conseguiu fugir e se abrigou em uma mercearia a cerca de uma quadra. O amigo Renan tentou correr para o porão da casa, mas “Kizo” foi atrás dele e o executou lá mesmo, com tiros na cabeça e no pescoço. Um dos cachorros da família, Fred, no intuito de defender seus donos, acabou avançando em Kizo e mordeu sua mão. O bandido, então, atirou contra o cão, que ficou também próximo ao corpo de Renan, no porão da casa, agonizando.

Kizo, Kalahan e Paraguayo, entraram novamente no Gol e foram atrás de Daymon. Por cerca de uma quadra, eles deram mais alguns tiros e encontraram o outro alvo sentado na mercearia. Conforme mostraram as imagens das câmeras de segurança da mercearia, o trio desceu do Gol e Kalahan atirou, sem dó nem piedade, em Daymon. Paraguayo e Kalahan entraram no Gol, mas Kizo embarcou em um Fiat Punto. Na fuga, os assassinos deram de cara com a polícia, na avenida Independência. Teve uma perseguição entre viatura policial e o Gol e Kalahan e Paraguayo atiraram por diversas vezes contra os policiais, deixando a viatura com várias marcas de tiros. Na esquina, Kalahan desceu do Gol e tentou se esconder atrás de um carro que estava estacionado.

Houve uma intensa troca de tiros e Kalahan foi atingindo e caiu morto na esquina. Já Paraguayo e um outro elemento, conseguiram fugir. Paraguayo ficou escondido em uma oficina localizada na avenida. Mas, a partir de denúncia anônima, poucas horas depois os policiais também o encontraram e o levaram preso. Já o outro indivíduo não foi encontrado. Em paralelo a essa ação, o Punto em que estava Kizo foi encontrado em alta velocidade por outra viatura policial. Momento em que também foi iniciada uma perseguição e troca de tiros pelo centro da cidade. Kizo efetuou diversas manobras perigosas, atingindo carros estacionados nas ruas. A perseguição terminou somente na avenida Dr. Victor do Amaral, quando Kizo subiu na calçada com o veículo e invadiu uma loja, indo em direção à uma das vendedoras. Ele foi detido e disse aos policiais que havia ido acertar contas com um elemento no Porto das Laranjeiras que teria o jurado de morte.

Publicado na edição 1253 – 18/03/2021