Araucária PR, , 21°C

Falta de remédios na rede pública ainda preocupa

Facebook
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email

Sem conseguir pegar os medicamentos de uso controlado na rede pública de saúde do município, Carlos Alberto não vê outra saída a não ser tirar dinheiro do próprio bolso para não interromper o tratamento. Ele sofre de doenças psicológicas e não pode ficar sem os remédios Olanzapina, que tem um preço razoavelmente alto e Depakote, um pouco mais em conta. “Tenho um protocolo aberto desde o dia 6 de janeiro, data em que não consegui mais pegar os remédios na farmácia do município, e até agora estou sem reposta. Não ta fácil ter que tirar dinheiro de outras coisas pra comprar os remédios”, lamentou.
Segundo Carlos, a Secretaria de Saúde não dá uma resposta objetiva e concreta aos pacientes que estão tendo que enfrentar esta dificuldade. “Eles só ficam enrolando”, comentou.
A situação dos pacientes que estão enfrentando o mesmo problema que Carlos já foi mostrada em reportagem neste periódico no dia 20 de março e na ocasião a Prefeitura havia dito que alguns medicamentos que o município fornece estão em processo licitatório, e a abertura das propostas seria no dia 22 de março.
Intercorrência
Desta vez a Prefeitura explicou que um processo licitatório para aquisição de medicamentos tramitava desde dezembo de 2016 e, após questionamentos do Tribunal de Contas do Estado, necessitou ter seu edital refeito de forma que ficasse mais evidente o disposto na Lei Complementar 147/2014, que trata da exclusividade da participação de microempresas e empresas de pequeno porte para itens de contratação cujo valor seja de até R$80.000,00. Isto contribui com a morosidade do processo.
A licitação foi realizada no dia 22 de março de 2017, onde houve mais uma intercorrência. A empresa que ganhou a maioria dos itens foi considerada inidônea em 28 de março de 2017 e o processo para os referidos itens precisou ser repetido no dia 10/04/2017.
Boa notícia
É importante salientar que apenas alguns medicamentos ainda não estão disponíveis em função deste problema. O novo processo licitatório já está em fase final e em breve os medicamentos devem estar disponibilizados novamente para a população de Araucária.