Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
A prova Mountain do Deserto do Atacama é uma das mais difíceis do mundo com 42km de extensão
A prova Mountain do Deserto do Atacama é uma das mais difíceis
do mundo com 42km de extensão

Alexandre Sobânia realizará outras competições em 2015 para se preparar
Alexandre Sobânia realizará outras competições em 2015 para se preparar

Trechos de dunas, terra batida, cânions e outras paisagens exuberantes entre a região norte do Chile e a fronteira com o Peru tornam a prova Mountain do Deserto do Atacama atrativa para atletas do mundo inteiro. Por isso, corredores como o araucariense Alexandre Sobânia passam anos se preparando para enfrentar o percurso de 42km pelo deserto mais alto e árido do mundo.

De acordo com Alexandre, essas características tornam a prova uma das mais difíceis do globo e é necessário um treinamento intenso para ter chances de completá-la. “Por isso, estou me preparando para algumas corridas específicas antes de chegar a essa prova no dia 6 de dezembro”, conta.

Entre as competições está a Trilha do Morro do Canal no dia 24 de maio, a Mountain do Costão do Santinho em Florianópolis entre 26 e 28 de junho, a Ultramaratona de Morretes em agosto e ainda a Corrida Lagoa da Conceição no mês de outubro. “Essas provas apresentam paisagens intocadas, mananciais, possuem partes com dunas e outras características que remetem ao Atacama, então são as provas necessárias para minha preparação, e estou muito confiante”, afirma.

No entanto, a aventura de dezembro promete ser ainda mais desafiadora, já que, além de correr os 42km do circuito, o araucariense viajará com o aventureiro Lauro Grollmann de moto até o local. “Eu já fui para Machu Picchu passando pelo Atacama em 2013, este ano cheguei a Ushuaia na Argentina, e agora acompa­nharei o Alexandre nos 2.910 quilômetros até o Atacama, então espero que ele termine e se classifique bem na prova”, adianta Lauro, que passará pelas cidades de Curitiba, Foz do Iguaçu e Resistência (Argentina) até chegar a San Pedro do Atacama, no Chile. “É uma viagem de cinco dias de moto, mas vamos aceitar esse duplo desafio, que será muito bom!”, promete Alexandre.

Texto: Raquel Derevecki / FOTOS: DIVULGAÇÃO

CONTEÚDO RECOMENDADO

VEJA TAMBÉM